Senado aprova MP que acaba com prazo de inscrição no Cadastro Ambiental Rural

A lei atual estabelecia o prazo de 31 de dezembro de 2017 para o registro no CAR, prorrogável por mais um ano

Plenário do SenadoPlenário do Senado - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Senado Federal aprovou nesta quarta-feira (9) uma MP (Medida Provisória) que acaba com o prazo para que proprietários realizem a inscrição no CAR (Cadastro Ambiental Rural).

Criado pelo novo Código Florestal em 2012, o CAR é um registro público eletrônico obrigatório para todos os imóveis rurais no Brasil. Trata-se de uma base de dados para o monitoramento ambiental no Brasil e para o combate ao desmatamento.

A lei atual estabelecia o prazo de 31 de dezembro de 2017 para o registro no CAR, prorrogável por mais um ano. O prazo foi adiado pelo menos cinco vezes. A MP do presidente Jair Bolsonaro (PSL) acabou com qualquer referência a uma data limite.

Leia também:
Senado aprova MP que facilita venda de bens apreendidos do tráfico
Por pressão ruralista, Bolsonaro demite comando de órgão de reforma agrária

O texto aprovado nesta quarta-feira pelo Senado apenas estabelece que "a inscrição no CAR é obrigatória e por prazo indeterminado para todas as propriedades e posses rurais".

A não adesão ao CAR proibia o proprietário, por exemplo, de acessar linhas de crédito.

"Além de se tornar uma plataforma de controle e fiscalização ambiental, [o CAR] foi adotado por todas as instituições financeiras do Brasil para a liberação do crédito rural, seja o crédito para investimento como também o crédito para custeio agrícola", justificou o senador Irajá Abreu (PSD-TO).

A MP votada pelos senadores também estabelece que os proprietários de imóveis rurais, após a inscrição no CAR, terão até dezembro de 2020 para aderir ao PRA (Programa de Regularização Ambiental).

O PRA deve ser implementado por estados, municípios e pela União. No entanto, no caso de entes subnacionais que não tenham criado seus programas de regularização ambiental até o final de do ano que vem, os proprietários rurais poderão -de acordo com o texto da MP– aderir ao PRA do governo federal.

Como funciona o cadastramento rural
Ao incluir seu terreno no cadastro, o dono entrega uma espécie de mapa detalhando a localização das áreas de reserva legal (que varia de 20% na mata atlântica a 80% na Amazônia ) e de preservação permanente (como a faixa contígua a corpos d'água).

Se houve antes desmate acima do permitido em lei, o infrator assume a culpa e se compromete com a recuperação

Etapa 1: Cadastramento
Proprietários rurais se cadastram pela internet ou junto ao órgão responsável no seu estado, informando sua identidade, documentos de comprovação de posse do imóvel e delimitação do perímetro do imóvel, de áreas preservadas e de uso consolidado.

Etapa 2: Verificação
Através de imagens georreferenciadas, as informações serão checadas pelos órgãos estaduais.

Etapa 3: Regularização
O proprietário que tiver passivos ambientais poderá aderir a um programa de regularização ambiental, com os benefícios de não ser autuado por infrações cometidas antes de julho de 2008 e de poder acessar crédito agrícola através de bancos privados ou públicos.

Veja também

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno
SÃO PAULO

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno

Líder do MBL é denunciado sob a acusação de tráfico de influência e fraude em licitação
Política

Líder do MBL é denunciado sob a acusação de tráfico de influência e fraude em licitação