Senado aprova nova repatriação com veto a parentes de políticos

O projeto foi aprovado por 47 votos a favor e 11 contrários.

 Jair Bolsonaro Jair Bolsonaro  - Foto: Nelson Almeida/AFP

O Senado aprovou na noite desta quarta-feira (23) o projeto que reabre o programa de regularização de recursos de brasileiros no exterior. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados.

O projeto foi aprovado por 47 votos a favor e 11 contrários. O governo e a base aliada, no entanto, sofreram uma derrota. A oposição conseguiu aprovar uma emenda que retirou do texto o trecho que permitia a participação de parentes de políticos na nova versão da chamada repatriação. Os próprios políticos também estão proibidos de participar.

Outros pontos defendidos pelo governo foram aprovados. Entre eles, está a destinação de 46% do que for arrecadado com o pagamento de multa e Imposto de Renda para Estados e municípios.

Na primeira versão do programa, só estava previsto repasse do IR, questão que gerou discussão jurídica e levou a um acordo entre Ministério da Fazenda e governadores.

A proposta aprovada é um parecer do senador Romero Jucá (PMDB-RR), que passou dias em negociação com o governo. A intenção da equipe econômica de Michel Temer era que os recursos de multa da repatriação seguissem para a União e, depois, fossem distribuídos aos entes federados.

Preocupados, governadores ligaram para senadores de seus Estados pedindo que incluíssem no projeto o trecho que tratava do repasse da multa.

O projeto foi inicialmente articulado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), há cerca de um mês e estava na pauta desde semana passada. O peemedebista tinha pressa. Queria a proposta aprovada ainda em novembro, de forma que a Câmara pudesse votá-la também em 2016.

NOVO PROGRAMA

Poderão participar da nova rodada de regularização de recursos no exterior quem teve movimentações no exterior até 30 de junho de 2016. O programa anterior abrangia o período até 31 de dezembro de 2014.

A proposta também atualiza o valor do câmbio para declaração. Antes, considerava-se o preço do dólar em 31 de dezembro de 2014, a R$ 2,40. Agora, será usado o valor da moeda em 30 de junho de 2016, de R$ 3,20. Com isso, o governo receberá mais reais para cada dólar declarado.

A nova repatriação começará a valer 30 dias após a sanção da lei. O projeto estabelece ainda 120 dias para adesão ao programa. As datas, portanto, vão depender de quando a Câmara votará a proposta. O governo queria estabelecer o prazo de adesão até 15 de março de 2017.

O texto também aumenta a alíquota de multas e tributos, de um total de 30% para 35%.

Veja também

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista
Eleições 2020

Nena Cabral quer construir três novas unidades de saúde no Paulista

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife
Eleições 2020

Carlos quer explorar potencial turístico dos mercados públicos do Recife