Senado cria CPI para investigar desastre de Brumadinho

O requerimento da CPI foi protocolado no Senado em 7 de fevereiro, com o apoio de 42 senadores

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, deseja que a Funai retorne para o Ministério da JustiçaO presidente do Senado, Davi Alcolumbre, deseja que a Funai retorne para o Ministério da Justiça - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), leu nesta terça (12) em plenário nesta terça-feira (12) o requerimento para instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) de Brumadinho (MG), destinada a investigar o que provocou o rompimento da barragem Mina Córrego do Feijão, na cidade minera que matou pelo menos 165 pessoas e deixou 155 desaparecidas.

Pelo requerimento lido, o prazo para as investigações é de 180 dias e o limite de despesas R$ 110 mil. O pedido para a instalação da comissão foi encaminhado pelos senadores Carlos Viana (PSD-MG) e Otto Alencar (PSD-BA). Não há indicação de presidente e relator.

Leia também:
Líderes dividem comissões no Senado
Alcolumbre dispensa diretor da polícia do Senado ligado a Renan 
O requerimento da CPI foi protocolado no Senado em 7 de fevereiro, com o apoio de 42 senadores. Segundo Otto Alencar, deverão ser convocados os responsáveis pela fiscalização da barragem em todos os níveis, como Ministério Público, governo estadual e órgãos ambientais.

Também deverão ser ouvidos representantes da Agência Nacional de Águas (ANA) e da Agência Nacional de Mineração (ANM), entre outros.

O rompimento da barragem em Brumadinho, no último dia 25, e a cobrança por uma comissão parlamentar de inquérito dominaram os debates na primeira sessão ordinária de 2019, em 7 de fevereiro.

*Com informações da Agência Senado.

 

Veja também

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara
STF

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação
Pandemia

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação