A-A+

Senado proíbe indicações de políticos e parentes em agências reguladoras

O texto segue para sanção presidencial. O projeto tramitava no Congresso há oito anos

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O Senado aprovou nesta quarta-feira (29) projeto sobre a Lei Geral das Agências Reguladoras. A proposta proíbe indicações políticas nas agências reguladoras e cria mecanismos para evitar a influência de empresas privadas nas agências que as regulam.

O texto segue para sanção presidencial. As informações são da Agência Brasil. O projeto tramitava no Congresso há oito anos. A matéria passou pelo Senado, foi para a Câmara e, ao voltar ao Senado, sofreu alterações. Coube aos senadores garantir a proibição de indicações políticas nas agências. Os indicados para ocupar cargos precisarão ter ficha limpa, não poderão ter cargos eletivos -ser deputado ou senador, por exemplo- nem ser parente de políticos.

Leia também:
Muita gente não tem interesse que eu esteja no Planalto, diz Bolsonaro
Bolsonaro vai sancionar reforma administrativa como veio do Senado


Além disso, funcionários de empresas privadas não poderão sair dela e assumir um cargo na agência que a regula. Será preciso uma quarentena de, no mínimo, 36 meses. "Esse projeto acaba com as indicações políticas nas agências reguladoras. Critérios mais rígidos para o processo de indicação. E o marco regulatório vai ser entregue à sociedade para que possa ter os seus direitos coletivos e individuais preservados", disse a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

Além disso, a nova lei dá às agências autonomia financeira. Por outro lado, cria mecanismos de transparência da gestão desses recursos. "Vamos dar autonomia financeira e administrativa às agências, para que não fiquem mendigando junto aos ministérios", disse a parlamentar, que foi uma das relatoras da matéria no Senado. Ela destacou também o aprimoramento do processo decisório. "Transparência, eficiência e agilidade. Vai ter que ter relatório anual, plano estratégico de quatro anos", acrescentou a senadora. Além disso, todas terão que ter Ouvidoria.

As agências reguladoras existem para fiscalizar e regular as atividades de um determinado setor. São exemplo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Os senadores também destacaram a importância da lei para melhorar os serviços para a população, tornando o papel das agências mais efetivo. "Estamos cansados de reclamar diariamente da má qualidade dos serviços públicos no Brasil, quer serviços de transporte, quer serviços de energia elétrica, de combustíveis. E essa reclamação se transforma nessa nova lei", disse Antonio Anastasia (PSDB-MG).

Veja também

Comissão especial da PEC dos Precatórios será instalada na Câmara, nesta terça (21)
Congresso

Comissão especial da PEC dos Precatórios será instalada na Câmara, nesta terça (21)

Bolsonaro desmarca entrevista na ONU em cima da hora e deve antecipar volta ao Brasil
Assembleia da ONU

Bolsonaro desmarca entrevista na ONU em cima da hora e deve antecipar volta ao Brasil