Senado vota hoje. Paulo Câmara vê NE como "mais prejudicado"

Votação está marcada para as 16h deste sábado

Governador Paulo CâmaraGovernador Paulo Câmara - Foto: Ed Machado

 A nova versão do projeto de socorro aos estados e municípios, formatada pelo Senado em acordo com o ministro da Economia, Paulo Guedes, com previsão de ser votada hoje, não agrada governadores. Senadores também estão de orelha em pé. Governador de Pernambuco, Paulo Câmara foi à ponta do lápis após checar os valores do relatório do presidente do Senado, Davi Alcolumbre. O PL 149/2019, como saiu da Câmara Federal, renderia a Pernambuco, observa o socialista, algo em torno de R$ 1,5 bilhão. Pelo texto do Senado, caberá ao Estado menos de R$ 900 milhões. Isso considerando a regra que prevê distribuição de R$ 25 bilhões para Estados por critério misto. Em valores exatos, Pernambuco terá direito a R$ 897.981.470, 25 (9 milhões de habitantes). Para efeito de comparação, São Paulo terá acesso a R$ 5.513.592.514,91 (45 milhões de habitantes), Rio de Janeiro levará R$ 1.673.519.769,80 (17 milhões de habitantes) e o Amapá, estado de Alcolumbre, terá R$ 133.829.571,56 (com 845.731 habitantes). Na divisão dos R$ 7 bilhões, que serão repassados aos Estados para a Saúde, o critério de incidência da doença tem levantado ainda mais críticas. O Amapá, por exemplo, terá uma fatia de R$ 365.946.120,44, enquanto Pernambuco terá R$ 368.125.914,14. Há críticas dando conta de "distorção" nesse critério e de que o Estado de Alcolumbre acabou se beneficiando.

Em relação ao novo desenho, Paulo Câmara, à coluna, assinalou o seguinte: "A região Nordeste é a mais prejudicada". Líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho, em entrevista à Rádio Folha, havia argumentado que o projeto da Câmara Federal não era "justo do ponto de vista federativo" a partir do momento que se baseava na proporcionalidade da arrecadação do ICMS e do ISS. "Pela proposta da Câmara, 50% da compensação de ISS iria só para o município de São Paulo. Ninguém vai aprovar isso", cravara FBC no último dia 16, avisando, desde então, que a proposta que tinha o presidente da câmara, Rodrigo Maia, como principal fiador era alvo de "severas críticas" no Senado e que o destino dela era "realmente o arquivo". O novo cálculo, no entanto, com base em critérios de incidência do coronavírus (R$ 10 bilhões, sendo R$ 7 bi para estados e R$ 3 bi para municípios), que inclui divisão igualitária de R$ 50 bilhões, sendo R$ 25 bi para estados e R$ 25 bi para municípios, por critério misto, que leva em conta perdas de ICMS e ICSS e número de habitantes, segue sendo alvo das mesmas "severas críticas".

 

Jarbas aponta "discriminação"
O senador Jarbas Vasconcelos diz ver "com muita preocupação o relatório" do senador Davi Alcolumbre. E sublinha: "Na minha avaliação, existe uma clara discriminação aos estados do Nordeste. O valor previsto, quando considerado o distribuído por habitante, deixa os estados da região entre os 10 com os valores mais baixos".
Tasso também acha > Jarbas vem mantendo contato com o governador Paulo Câmara sobre o tema. O emedebista realça que Tasso Jereissati compartilha da mesma avaliação. Jarbas defende a necessidade de se "fazer valer o equilíbrio federativo com coerência e justiça na votação da matéria".
Protagonismo > O senador Humberto Costa defende que o Senado construa um "acordo que envolva a Câmara também". Repisa que é preciso "entendimento político".
Tamo junto > Na quinta-feira, os governadores do Nordeste se reuniram e todos estão conversando com seus senadores. No caso de Paulo Câmara, ele também falou, por telefone, com Tasso Jeiressati, num diálogo que passou por Jarbas Vasconcelos.

 

Veja também

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022
Eleições 2022

Gilmar manda para PGR pedidos de investigação de conduta de Braga Netto sobre eleições de 2022

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas na Esplanada dos Ministérios em dois anos e meio
Política

Com reforma, Bolsonaro consolida 27 trocas em dois anos e meio