Ser aliado extra-Otan beneficia indústria de defesa, diz governo

Em nota conjunta, os ministérios da Defesa e Relações Exteriores projetam a ampliação de negócios no setor

Ministro das Relações Exteriores, Ernesto AraújoMinistro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo - Foto: Arthur Max/MRE

A condição de aliado prioritário extra-Otan, conferida ao Brasil pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump , vai abrir oportunidades no setor de defesa e intercâmbio militar, prevê o governo. Em nota conjunta, os ministérios da Defesa e Relações Exteriores projetam a ampliação de negócios no setor.

"A base industrial de defesa brasileira poderá ser beneficiada pelo status de MNNA [aliado prioritário extra-Otan] ao integrar-se de forma mais competitiva nas cadeias globais de valor de alta tecnologia do setor. Poderão ser discutidas opções de maior acesso ao mercado norte-americano e a financiamentos para produtos de defesa exportados pelo Brasil, além da participação em licitações e empreendimentos conjuntos. Espera-se, ademais, a facilitação de trâmites para a aquisição de produtos de alta tecnologia necessários ao avanço de programas estratégicos nacionais", diz a nota.

Leia também:
Trump designa Brasil como aliado preferencial dos EUA extra-Otan
Trump quer tornar o Brasil um aliado preferencial fora da Otan
Chanceler vai a países da Otan para incentivar exportações


A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) é uma aliança militar que envolve 29 países-membros da Europa ocidental e América do Norte. As regras atuais da Otan limitam os convites para integrar a aliança a países europeus. Entretanto, desde o ano passado, a Colômbia é o único "parceiro global" da Otan na América Latina. Os "parceiros globais" podem contribuir com as operações e missões da aliança, com base em um programa individual.

Para o governo brasileiro, essa designação também eleva a um patamar sem precedentes a relação militar do país com os norte-americanos, com aprofundamento da cooperação e da confiança estratégica entre as duas nações. "O status de MNNA [em inglês, Major Non-NATO Ally] é conferida a número restrito de países, considerados de interesse estratégico para os EUA e torna-os elegíveis para maiores oportunidades de intercâmbio e assistência militar, compra de material de defesa, treinamentos conjuntos e participação em projetos", acrescenta a nota conjunta do Itamaraty com o Ministério da Defesa.

Com a designação, o Brasil se torna o segundo país da América Latina, depois da Argentina, a receber o status especial, que permitirá aprofundar a cooperação militar bilateral. Além deles, outros 16 países foram declarados aliados extra-Otan pelo governo americano.

Trump havia indicado que pretendia nomear o Brasil como aliado preferencial extra-Otan quando o presidente Jair Bolsonaro visitou a Casa Branca em março. O processo para designação começou cerca de dois meses depois, em 8 de maio, quando Trump notificou o Congresso sobre a intenção por meio de carta, seguindo o procedimento legal, que determina que o Legislativo seja informado sobre a designação de um aliado militar estratégico fora da Otan pelo menos 30 dias antes do status entrar em vigor.

Veja também

Salles defende que falta de manejo potencializou queimadas no Pantanal
Meio Ambiente

Salles defende que falta de manejo potencializou queimadas no Pantanal

Confira o programa de governo de Marília Arraes para a Prefeitura do Recife
Eleições 2020

Confira o programa de governo de Marília Arraes para a Prefeitura do Recife