Política

Sob pressão de ideológicos, Feder diz que recusa convite para o MEC

Renato FederRenato Feder - Foto: DIVULGAÇÃO/SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E DO ESPORT

Após dias de ataques nas redes sociais por parte de apoiadores ideológicos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Renato Feder disse neste domingo (5) que recusou o convite para assumir o Ministério da Educação.

"Recebi na noite da última quinta-feira uma ligação do presidente Jair Bolsonaro me convidando para ser ministro da Educação. Fiquei muito honrado com o convite, que coroa o bom trabalho feito por 90 mil profissionais da Educação do Paraná. Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro, por quem tenho grande apreço, mas declino do convite recebido. Sigo com o projeto no Paraná, desejo sorte ao presidente e uma boa gestão no Ministério da Educação", escreveu Feder.

Secretário de Educação no Paraná, Feder já havia sido cotado desde a saída de Abraham Weintraub. No entanto, ele acabou sendo preterido, e o comando foi entregue a Carlos Alberto Decotelli.

Após a passagem relâmpago de Decoltelli pelo ministério, Feder voltou a ser cotado e, desde o final da semana passada, tem sido alvo de apoiadores mais ideológicos de Bolsonaro.

No sábado (6), já havia notícias de que Feder havia sido descartado. Na manhã deste domingo, o secretário do Paraná publicou em suas redes sociais uma longa publicação em que rebate ataques que recebeu.

A aliados, Feder já havia demonstrado sua irritação com a apatia do governo diante dos ataques que vinham sendo desferidos.

Veja também

Sob pressão, Ministério da Justiça entrega ao Congresso relatório sobre opositores
justiça

Sob pressão, Ministério da Justiça entrega ao Congresso relatório sobre opositores

Joice Hasselmann vai à Justiça contra Bruno Covas e dá início à disputa eleitoral
política

Joice Hasselmann vai à Justiça contra Bruno Covas e dá início à disputa eleitoral