Sob pressão para nome do STF, Temer desiste de comparecer a Congresso

No lugar do presidente, irá ao Congresso Nacional o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha

Sob pressão de PSDB e PMDB para escolher um nome do mundo político para o Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Michel Temer desistiu nesta quinta-feira (2) de participar da abertura do ano legislativo, para a qual levaria mensagem ao Congresso Nacional.

No lugar do presidente, irá ao Congresso Nacional o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. Nas últimas semanas, o peemedebista tem se queixado da insistência de partidos da base aliada em emplacar nomes para a Suprema Corte.

Temer tem recebido ligações com indicações, mesmo sem pedir sugestões, e tem preferido se manter no Palácio do Planalto para evitar pedidos pessoais.

A intenção do peemedebista é definir neste final de semana um nome, para anunciá-lo na semana que vem, quando estiver definida a composição da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado Federal, que sabatinará o novo ministro.

O presidente já reconhece que, independentemente de quem escolher, acabará desagradando algum setor social. Ele tem ponderado, contudo, a necessidade de não se indispor nem com Poder Judiciário, sobretudo a Suprema Corte, nem com a opinião pública.

Por isso, se reunirá no final de semana com a presidente Cármen Lúcia e falará com os ministros Gilmar Mendes e Celso de Mello.

Na lista de preferidos do presidente, figuram os nomes dos ministros Isabel Galotti, Luis Felipe Salomão e Rogério Schietti, do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

O presidente está preocupado ainda com a possibilidade de retaliação da base aliada do Senado Federal. O PMDB, que presidirá a CCJ, tem defendido que o presidente indique um nome com trânsito no universo político.

O receio do presidente é que, caso escolha um perfil técnico e apartidário, ele seja colocado em banho-maria, demorando para ser chancelado e causando um desgaste político.

Para evitar o cenário adverso, o presidente ordenou à equipe presidencial que o governo federal não se envolva diretamente na disputa pela presidência, evitando criar mágoas que possam ser refletidas na sabatina do escolhido para a Suprema Corte.

Nas palavras de um auxiliar presidencial, o governo federal não pode "deixar suas digitais no processo", uma vez que "qualquer movimento errado pode interferir na sabatina". Hoje, o posto é disputado por três senadores do PMDB: Edson Lobão (MA), Raimundo Lira (PB) e Eduardo Braga (AM).

Nos bastidores, o nome favorito do Palácio do Planalto é o de Raimundo Lira, que foi presidente da comissão especial do impeachment que sugeriu o afastamento do cargo da ex-presidente Dilma Rousseff.

Veja também

Após Cúpula do Clima, Bolsonaro diz que críticas ao Brasil não se justificam
Meio Ambiente

Após Cúpula do Clima, Bolsonaro diz que críticas ao Brasil não se justificam

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial
Política

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial