Sobre PEC paralela, bancada do PT ouvirá governadores

A oposição votou contra a Reforma da Previdência, mas pode flexibilizar em relação à PEC paralela

Senador Humberto Costa - PT/PESenador Humberto Costa - PT/PE - Foto: Alessandro Dantas/Senado

A ideia é auscultar os governadores do Nordeste, que já vêm adotando posições coordenadas há algum tempo. Mas, inicialmente, a bancada do PT vai ouvir, ao menos, os governadores do partido para alinhar a posição que os parlamentares adotarão em relação à PEC paralela que começa a tramitar no Senado e inclui estados e municípios nas novas regras da aposentadoria. Hoje, a bancada do PT tem reunião e o tema deve ir à pauta. "Vamos convidar para bater um papo e ver o que eles pensam sobre a PEC paralela, que já está começando a tramitar e a gente precisa ter nossa posição. Espero que, até semana que vem, a gente possa ter essa posição. Vamos conversar amanhã sobre isso", informa, à coluna, o senador Humberto Costa. Ainda que a temperatura vá ser tirada primeiro entre os governadores do PT, Humberto cnisdera que a posição dos gestores do Nordeste "deve ser comum". E pondera: "Eles já devem ter um roteiro lá entre eles. Vamos conhecer e avaliar se a gente pode ir no mesmo roteiro". Em outras palavras, a oposição juntou esforços no combate à Reforma da Previdência e contra a retirada de direitos, mas, em relação à inclusão de estados e municípios, ainda pode haver uma flexibilização.

Na semana passada, Humberto já havia adiantado o assunto em entrevista ao programa Folha Política da Rádio Folha FM 96,7. Indagado se seria possível votar contra a Reforma da Previdência e a favor da PEC paralela, Humberto analisara o seguinte: "Eu acho que é um contrassenso o País ter vários sistemas de previdência social, é um contrassenso ter um sistema para uns municípios, outro para outros, um para estados, outro para servidores federais. O lógico seria que nós tivéssemos sistema único para servidores públicos, mas vamos ver a opinião dos governadores, dos prefeitos em relação à questão". Ainda na semana passada, Humberto avisara que o assunto havia entrado na pauta "agora" e projetara: "Vamos ter uma reunião com os governadores do Nordeste especialmente. E vamos colher deles a opinião. Eles dizem que o ideal era que tivesse um único sistema, único regime, mas cololocam também que não é sangria desatada".


Travessia concluída
Como a coluna antecipou na última sexta-feira, o vereador Rinaldo Júnior, depois de deixar o Republicanos, formalizou, ontem, o ingresso no PSB. No Republicanos, presidido no Estado por Silvio Costa Filho, essa travessia já era dada como certa, conforme registramos. Havia compreensão na legenda de que Rinaldo começara a “andar com o prefeito Geraldo Julio” há algum tempo.
Ninho socialista > Em seu discurso na tribuna da Câmara, ontem, Rinaldo anunciou o ingresso ao PSB, realçando o seguinte: "O viés ideológico, a vida orgânica do partido, e principalmente o seu redirecionamento político após as ultimas eleições presidenciais no país, onde o PSB retoma às suas origens de esquerda".
Estreia > O I encontro de Secretários Estaduais de Assistência Social do Nordeste será realizado, hoje, em Pernambuco, às 9h30, na Secretaria de Planejamento e Gestão. Na programação, conduzida por Sileno Guedes, temas como: Desigualdades, Desproteções e Demandas para a Assistência Social e Oportunidades de integração regional, além de novos investimentos.
Atento > Apesar da licença médica, o deputado Danilo Cabral buscou marcar posição na Assembleia Legislativa, ontem, em audiência pública sobre o Future-se, programa do Governo Federal para o financiamento do Ensino Superior. Por meio de carta, afirmou que o programa desresponsabiliza o Governo Federal pelo financiamento das universidades e retira da comunidade acadêmica o poder de decisão sobre os rumos das instituições.

Veja também

Após passeio de moto com aglomeração, Bolsonaro realiza churrasco de Dia das Mães no Alvorada
Política

Após passeio de moto com aglomeração, Bolsonaro realiza churrasco de Dia das Mães no Alvorada

Aras nega investigar Bolsonaro por cheques de Queiroz a Michelle
Política

Aras nega investigar Bolsonaro por cheques de Queiroz a Michelle