Solução para crise política só pode ser por meio da política, diz Janot

A declaração foi feita durante palestra na manhã desta segunda-feira (23), na faculdade Ibemec, em Belo Horizonte

Rodrigo JanotRodrigo Janot - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, ao discursar sobre corrupção, afirmou que a solução para a crise política do país está na política. A declaração foi feita durante palestra na manhã desta segunda-feira (23), na faculdade Ibemec, em Belo Horizonte.

"Um outro reflexo gravíssimo [da corrupção] é o obstáculo ao desenvolvimento político. A solução para o Brasil hoje, para a crise política que o Brasil vive, só pode acontecer através da política", afirmou. "Não há outra opção possível para a solução desse problema político que passa o país."

Janot não respondeu a perguntas da plateia e saiu pelo estacionamento para evitar a imprensa.

Há especulações de que ele possa concorrer nas eleições de 2018 ao cargo de senador ou governador de Minas Gerais.

O ex-procurador-geral afirmou que a corrupção captura as estruturas do Estado e impede o aperfeiçoamento do processo político, já que não há incentivo para mudança.

"Isso ameaça diretamente um valor muito caro pra todos nós, que é a democracia, e assegura cada vez mais, a partir do momento em que embaraça a democracia, privilégios a oligarquia dominante que não tem interesse em mudar o status quo."

Delação
Janot também defendeu o instrumento da delação premiada. Seu último acordo, com executivos da JBS, foi revisto por ele mesmo após suspeitas de que um procurador de sua equipe teria negociado a delação ainda antes de se desligar da Procuradoria-Geral da República.

"Esse instrumento [a delação] se tornou o principal instrumento dessa investigação da corrupção estruturada e sistêmica. [...] As organizações criminosas são hermeticamente fechadas e uma das leis mais caras a elas é a lei do silêncio", disse.

"Através desse instrumento a gente consegue penetrar nessa estrutura hermeticamente fechada e obter a ideia e o desenho da organização criminosa e seus integrantes. [...] São 120 acordos de delação premiada [na Lava Jato] que nos permitiram mergulhar nessas estruturas de organização criminosa", completou.

Durante cerca de 45 minutos, Janot discorreu sobre as formas de corrupção e como combatê-las. Também listou consequências da prática para o país, como perda de eficácia econômica, empecilho a redução da desigualdade e distribuição de renda, atraso no desenvolvimento tecnológico e danos à reputação das empresas.

Segundo o ex-procurador, a perda com corrupção em 2016 chega a algo entre 2% e 3% do PIB, ou seja, cerca de R$ 100 bilhões - quase o valor do deficit de R$ 158 bilhões. O número é uma projeção a partir de um estudo da Fiesp de 2008.

Janot afirmou ainda que a corrupção viola direitos fundamentais da população ao prejudicar investimentos e políticas públicas em saúde, saneamento, educação, segurança pública e desenvolvimento sustentável.

Veja também

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP
DIRETÓRIO ESTADUAL

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados
EDMAR LYRA

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados