Política

Sorteio para escolha de Fachin durou três minutos

Corte diz que esse tipo de procedimento é aleatório, feito por sistema eletrônico que utiliza um algoritmo

Edson FachinEdson Fachin - Foto: Carlos Humberto/SCO/STF

 

O sorteio que escolheu Edson Fachin para relator da operação Lava Jato, na quinta-feira (2), durou três minutos e contou com a participação de três pessoas, além da presidente Cármen Lúcia, que acompanhou o processo, segundo a assessoria do STF.
A corte diz que esse tipo de procedimento é aleatório, feito por sistema eletrônico que utiliza um algoritmo. O sorteio sobre a Lava Jato utilizou como base o inquérito de número 4112, que tem o senador e o ex-presidente Fernando Collor (PTC-AL) como investigado. O STF não explicou por qual motivo escolheu esse inquérito, que não é o primeiro relacionado à investigação da Lava Jato a tramitar no tribunal.
Segundo o STF, o número de processos distribuídos para cada gabinete, considerando a série histórica que começou em 2001, pode influenciar; quem foi sorteado mais vezes tem menos chances de receber um novo processo.

Leia mais:
Fachin diz que vai julgar Lava Jato com celeridade e transparência
Temer avalia que escolha de Fachin causa menos problema ao governo
Fachin é o novo relator da Lava Jato no Supremo
 
A corte não diz, no entanto, se algum dos cincos ministros da Segunda Turma, para onde Fachin foi transferido, estava ou não em vantagem nesse sentido. O STF também não explica se há outro critério que coloca um ou outro ministro em posição privilegiada. O sistema de distribuição de processos passará por uma auditoria externa em julho.

 

Veja também

Sergio Moro afirma ser "provável" se lançar ao Senado em São Paulo
Eleições

Moro afirma ser 'provável' se lançar ao Senado em São Paulo

Projetos sobre combustíveis devem tramitar rápido no Senado
Combustíveis

Projetos sobre combustíveis devem tramitar rápido no Senado