Política

'Sou complementar ao presidente', diz Mourão, que nega se contrapor a Bolsonaro

O vice-presidente está nos EUA para uma série de compromissos entre Boston e Washington

Hamilton MourãoHamilton Mourão - Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Alvo de críticas dos principais aliados de Jair Bolsonaro por adotar uma postura antagônica à do governo, o vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que não age em contraponto ao presidente e que sua atuação é complementar à do chefe do Planalto.

"Jamais [estou me colocando como contraponto a Bolsonaro]. Eu sou complementar ao presidente, eu o complemento", afirmou neste sábado (6), após participar de uma série de reuniões em Boston, nos EUA, durante a Brazil Conference.

Leia também
Mourão deveria renunciar e ir para a oposição, diz ex-estrategista de Trump
Governo pode oferecer cargos para partidos da base aliada, diz Mourão
Hamas rebate Flávio Bolsonaro, a quem chama de 'filho de extremista'


Nas últimas semanas, Mourão tem se colocado do outro lado do tabuleiro nas principais polêmicas do governo. Na mais recente, enquanto Bolsonaro e seu ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, insistiam na ideia de que o nazismo foi um movimento de esquerda, Mourão disparou: "De esquerda é o comunismo, não resta nenhuma dúvida". Questionado por jornalistas sobre como avaliava o incômodo dos aliados do presidente, Mourão afirmou que as críticas "fazem parte do jogo político", mas que não se importa com elas.

O vice-presidente está nos EUA para uma série de compromissos entre Boston e Washington. Como mostrou a Folha de S.Paulo, o roteiro incomodou aliados de Bolsonaro, que avaliam os compromissos como reforço da tese de que o vice está tentando se firmar como figura plural e dissonante de Bolsonaro.

Neste sábado, por exemplo, Mourão se reuniu com o ex-ministro de Lula Mangabeira Unger por mais de uma hora. "Falamos sobre a economia do conhecimento, sobre a visão que ele tem do mundo moderno. A produção industrial começa a atingir seu limite e o conhecimento passa a ser algo que vale muito dinheiro", afirmou o general.

O vice ainda tem um encontro com imigrantes brasileiros em Boston, agenda que incomodou particularmente os auxiliares do presidente. Quando esteve nos EUA, em março, Bolsonaro e seu filho Eduardo deram declarações polêmicas sobre os brasileiros que vivem fora do país. Eduardo disse que eles eram "uma vergonha".

Em entrevista, o ex-estrategista de Donald Trump, Steve Bannon, deu voz às críticas a Mourão e disse que o vice tenta se mostrar preparado para assumir o Planalto caso Bolsonaro não dê certo no comando do governo.

Bannon, que participou da visita de Bolsonaro a Washington no mês passado, diz ser inaceitável um vice-presidente manter uma postura antagônica e sugeriu que ele renuncie e vá para a oposição. "O vice-presidente está tentando mostrar que está preparado se Bolsonaro falhar. E isso não é aceitável. Não é aceitável por ser alguém do governo. Se quiser fazer isso, Mourão deveria renunciar amanhã de manhã e ir para a oposição", afirmou o americano.

Na segunda-feira (8), em Washington, Mourão deve se encontrar com o vice-presidente dos EUA, Mike Pence. A agenda na capital americana prevê ainda uma entrevista à CNN, rede bastante crítica a Trump.

Quando esteve nos EUA, Bolsonaro se reuniu apenas com pessoas alinhadas ao pensamento conservador de seu governo e concedeu entrevista à Fox News, simpática à Casa Branca.

Veja também

Gleisi chama artigo de Ciro Nogueira de 'mentiroso' e diz que ministro precisa 'cair na real'POLÍTICA

Gleisi chama artigo de Ciro Nogueira de 'mentiroso' e diz que ministro precisa 'cair na real'

Dos 23 ministros de Bolsonaro, apenas 6 não informaram ter contraído Covid-19; veja listaGOVERNO FEDERAL

Dos 23 ministros de Bolsonaro, apenas 6 não informaram ter contraído Covid-19; veja lista