STF mantém liminar que permitiu à Rede receber filiações após criação

A Rede abriu então uma ação direta de inconstitucionalidade para garantir seu direito de receber parlamentares de outros partidos, alegando que o direito para isso já estava garantido quando o partido foi criado

Porta-voz da Rede, Marina Silva foi à mesa com Carlos Siqueira e Paulo Câmara já durante a tardePorta-voz da Rede, Marina Silva foi à mesa com Carlos Siqueira e Paulo Câmara já durante a tarde - Foto: Humberto Pradera/Divulgação

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) manteve nesta quarta-feira (9), por 9 votos a 1, uma decisão do ministro Luís Roberto Barroso que, em setembro 2015, garantiu ao partido Rede Sustentabilidade o prazo de 30 dias para que pudesse receber filiação de deputados e senadores quando foi criado. 

Oficialmente, a legenda foi criada em 22 de setembro de 2015, quando a filiação a um novo partido ainda era considerada, pela legislação, como justa causa para que um parlamentar pudesse deixar seu partido anterior, desde que no prazo de 30 dias.

Poucos dias depois, entretanto, em 29 de setembro de 2015, foi aprovada no Congresso a chamada minirreforma eleitoral, que revogou a criação de novo partido como justa causa para desfiliação, determinando a perda de mandato de quem o fizesse.

A Rede abriu então uma ação direta de inconstitucionalidade para garantir seu direito de receber parlamentares de outros partidos, alegando que o direito para isso já estava garantido quando o partido foi criado.

Leia também:
Marina deve ser maior beneficiada pela desistência de Barbosa, diz diretor do Datafolha
STF julga processo contra a reforma trabalhista nesta quarta

Entre os que deixaram seu partido para se filiar à Rede no prazo de 30 dias estavam o senador Randolfe Rodrigues e o deputado Alessandro Molon (hoje no PSB), por exemplo. Caso a liminar fosse rejeitada nesta quarta pelo plenário do STF, eles poderiam perder o mandato.

Na ocasião, Barroso, relator do caso, concedeu uma liminar para garantir o direito do partido e de outros que se encontravam na mesma situação -Partido Novo e Partido da Mulher Brasileira. "Houve uma violação ao direito adquirido daqueles partidos recém-criados", disse Barroso na sessão desta quarta.

"Portanto, a nova lei colheu uma situação que já estava em curso, que já havia se incorporado ao direito do partido", acrescentou. "E, portanto, iniciado esse prazo de 30 dias após o registro, não pode uma lei superveniente retirar esse direito já adquirido".

Todos os ministros acompanharam o relator, exceto o ministro Marco Aurélio Mello, para quem não poderia uma decisão monocrática de ministro do Supremo se sobrepor ao legislado pelo Congresso. O ministro Celso de Mello não participou da sessão.

Veja também

Diretor-geral da PF decide trocar chefe no Amazonas que pediu investigação contra Salles
PF

Diretor-geral da PF decide trocar chefe no Amazonas que pediu investigação contra Salles

Bolsonaro comete dois erros em afirmações sobre novo toque de recolher na Argentina
Deslize

Bolsonaro comete dois erros em afirmações sobre novo toque de recolher na Argentina