STF nega pedido para libertar Lula

O ex-presidente Lula foi detido em 7 de abril, depois de ser condenado e de ter um recurso rejeitado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, a segunda instância da Lava Jato

O ex-presidente LulaO ex-presidente Lula - Foto: Divulgação

A maioria dos ministros da segunda turma do Supremo Tribunal Federal (STF) negou pedido de liberdade feito pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Quatro dos cinco ministros que compõem o colegiado votaram contra o pedido do petista: Edson Fachin, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. Ainda falta votar Celso de Mello. Em abril, a defesa do petista apresentou um recurso contra sua prisão e pediu a liberdade de Lula.

Leia também
Defesa de Lula pede que ele fique na Polícia Federal
Supremo julga recurso que pode libertar Lula
Preso há um mês, Lula diz em recado que é 'candidatíssimo'


O ex-presidente foi detido em 7 de abril, depois de ser condenado e de ter um recurso rejeitado pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal), a segunda instância da Lava Jato. De acordo com seus advogados, Lula ainda poderia apresentar outro recurso antes que o TRF-4 considerasse que a possibilidade de recorrer estava esgotada. Relator da Lava Jato, Fachin remeteu o recurso para o plenário virtual do Supremo. Ele já havia negado recurso anterior apresentado pela defesa do petista. Toffoli, Lewandowski, Gilmar e Celso são contra prisão após condenação em segunda instância.

Plenário virtual
A votação é feita por meio de uma plataforma eletrônica interna no sistema do STF que funciona 24 horas por dia. Os detalhamentos dos votos são mantidos em sigilo até o fim do julgamento e são computados à medida que os magistrados se manifestam. O prazo para os ministros votarem termina nesta quinta (10). Se algum não votar, sua posição será computada como tendo acompanhado o relator.

Caso algum magistrado queira levar a discussão para o plenário presencial, pode pedir vista ou destaque. As sessões das turmas ocorrem nas tardes de terça-feira. Lula foi condenado em segunda instância, em janeiro, a 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP).

Veja também

A bronca de Zé Capacete em Trindade
Carlos Britto

A bronca de Zé Capacete em Trindade

Flexibilização gera esperança mas ainda requer cuidados
Edmar Lyra

Flexibilização gera esperança mas ainda requer cuidados