STF permite que Kátia Rabello, condenada no mensalão, cumpra pena em casa

Kátia foi condenada pelos crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta de instituição financeira

Primeiro-ministro japonês, Shinzo AbePrimeiro-ministro japonês, Shinzo Abe - Foto: Jiji Press/AFP

O ministro Luis Roberto Barroso, do Supremos Tribunal Federal (STF), autorizou na terça-feira (29), que a ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello, condenada a 14 anos e 5 meses de prisão no processo da Ação Penal 470 (conhecida como mensalão), cumpra sua pena em regime aberto, o que permite que ela passe a dormir em casa.

Kátia - que foi condenada pelos crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e gestão fraudulenta de instituição financeira - está presa em Minas Gerais desde 2013 e, desde dezembro de 2015, já havia obtido autorização de Barroso para progredir para o regime semiaberto, quando o preso pode sair durante o dia, mas deve retornar à carceragem à noite. Atualmente, ela trabalha como professora em uma escola de balé de Belo Horizonte.

Para basear sua decisão desta terça-feira, Barroso destacou o bom comportamento da detenta na carceragem e a comprovação de que ela já quitou nove das 12 parcelas da multa de R$ 2,4 milhões que foi condenada a pagar pela Justiça.

“Acolho o parecer do Ministério Público Federal e defiro à condenada Kátia Rabello a progressão para o regime aberto, observadas as condições a serem impostas pelo juízo delegatário desta execução penal”, escreveu o magistrado.

Barroso também autorizou que Ramon Hollerbach, ex-sócio do publicitário Marcos Valério, seja transferido de Brasília para Nova Lima (MG), de modo que possa cumprir sua pena de 27 anos e 4 meses de prisão em localidade mais próxima da família.

Veja também

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial
auxílio emergencial

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC
política

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC