Inquérito

STF prorroga inquérito sobre suposta interferência na Polícia Federal

Decisão foi assinada no dia 4 de junho pelo ministro Celso de Mello

Ministro Celso de MelloMinistro Celso de Mello - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a prorrogação, por 30 dias, do inquérito aberto pela Polícia Federal (PF) para apurar a suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro na Polícia Federal (PF) e o crime de denunciação caluniosa por parte do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro.

A decisão do ministro foi assinada no dia 4 de junho e divulgada nesta segunda-feira (8). Na semana passada, a delegada Christiane Correa Machado, chefe do Serviço de Inquéritos da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado, pediu mais 30 dias para concluir a investigação criminal.

 

Diante do pedido, o ministro, que é relator do inquérito, pediu a manifestação do procurador-geral da República, Augusto Aras, antes de autorizar o prosseguimento das investigações. No parecer enviado ao Supremo, Aras concordou com a prorrogação.

Desde a exoneração de Moro, o presidente nega que tenha pedido para o então ministro interferir em investigações da PF.

Veja também

Conversinha mole de ficar em casa é para os fracos, diz Bolsonaro
Coronavírus

Conversinha mole de ficar em casa é para os fracos, diz Bolsonaro

Assessores da Presidência dizem ter se reunido com Carlos Bolsonaro antes de seus depoimentos à PF
investigação

Assessores da Presidência dizem ter se reunido com Carlos Bolsonaro antes de seus depoimentos à PF