Subornos da Odebrecht geram investigações em vários países

O grupo brasileiro admitiu à Justiça dos Estados Unidos que pagou centenas de milhões de dólares em subornos

Professor e cientista político Hely FerreiraProfessor e cientista político Hely Ferreira - Foto: Pedro Farias

Vários países latino-americanos anunciaram nesta quinta-feira (22) investigações judiciais ligadas ao caso da Odebrecht, após o grupo brasileiro admitir à Justiça dos Estados Unidos que pagou centenas de milhões de dólares em subornos em vários países da região.

Reações país por país:

- Peru -
O presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, negou ter recebido dinheiro quando era presidente do Conselho de Ministros no governo de Alejandro Toledo (2001-2006) e disse ser favorável a uma investigação à denúncia de subornos da Odebrecht no Peru entre 2005 e 2014.

"Eu posso garantir que não recebi nada, nem sei de nada. Obviamente deve-se investigar tudo isso e sou a favor de uma profunda investigação", disse Kuczynski à imprensa.

Ele explicou que as investigações sobre sua gestão quando era primeiro-ministro de Toledo foi arquivada. "Se deram conta de que eu só havia assinado uma lei do congresso, isso não é crime", ressaltou.

No dia 14 de dezembro, o procurador Martín Salas decidiu reabrir a investigação na qual incluiu Kuczynski por supostamente favorecer a Odebrecht a ganhar uma concessão. O caso havia sido encerrado em setembro.

O presidente disse que a Procuradoria terá que investigar exaustivamente após a divulgação de documentos em que a Odebrecht admite ter realizado subornos no Peru (2005-2014) por aproximadamente 29 milhões de dólares.

"Os ex-presidentes Alejandro Toledo, Alan García e Ollanta Humala que governaram nesses anos (2005-2014) deverão dar explicações. Também tem que ver a quem se pagou".

- Equador -
O governo do Equador, que em 2008 expulsou a Odebrecht, pediu que o Ministério Público investigue supostos subornos da empresa brasileira no país, onde mantém contratos milionários, como a construção do metrô de Quito.

"Neste momento estou enviando ao Ministério Público uma solicitação para que investigue tudo o que tem a ver com os supostos atos de corrupção da Odebrecht no país", disse o secretário jurídico da Presidência do Equador, Alexis Mera, em coletiva de imprensa.

O procurador-geral Galo Chiriboga disse à imprensa que a embaixada equatoriana em Washington solicitará informação do caso ao Departamento de Justiça.

"Essa informação eu desejo tê-la oficialmente hoje, através de nossa embaixada, e isso implica que o Ministério Público já tenha iniciado uma indagação sobre isso", acrescentou.

"Não vamos proteger ninguém, não vamos encobrir ninguém; estamos absolutamente tranquilos do que fizemos. Atuamos com essa companhia de maneira muito rigorosa", garantiu Mera.

O presidente Rafael Correa, no poder desde 2007, expulsou a firma brasileira em 2008 por irregularidades na construção da hidroelétrica San Francisco. A medida gerou a reação de Brasília, que chamou seu embaixador para consultas entre novembro de 2008 e janeiro de 2009.

Após um acordo, a Odebrecht retornou em 2010 ao Equador, onde está encarregada de obras milionárias, como uma fase do metrô de Quito por 1,5 bilhão de dólares.

- Colômbia -
A Colômbia anunciou que cancelará os contratos em que forem comprovados atos de corrupção da Odebrecht.

"No momento em que for demonstrado de maneira clara que houve pagamentos de subornos (...), o Estado colombiano não duvidará de nenhuma maneira em tomar as decisões necessárias para terminar de maneira unilateral seus contratos e para evitar que a Odebrecht continue tendo negócios no país", disse o secretário de Transparência da Presidência, Camilo Enciso.

O funcionário pediu "ação contundente, rápida e eficaz da justiça colombiana" para esclarecer os subornos por mais de 11 milhões de dólares que a construtora pagou para realizar as obras públicas no país, com as quais teve lucros superiores a 50 milhões de dólares, segundo as autoridades americanas.

"Não podemos permitir que uma empresa criminosa como tem sido a Odebrecht continue agindo", afirmou.

- Argentina -
O Escritório Anticorrupção da Argentina informou ter entrado em contato com procuradores e investigadores do Brasil para obter mais informações sobre 35 milhões de dólares em subornos pagos a funcionários argentinos entre 2007 e 2015.

A deputada opositora Margarita Stolbizer pediu ao ministério Público uma investigação preliminar sobre os casos, que teriam ocorrido durante o governo da presidente Cristina Kirchner.

"Se em algum lugar ocorreu corrupção em grande medida nos últimos anos foi justamente no ministério do Planejamento do (ex-ministro) Julio De Vido", disse a deputada sobre o antigo funcionário investigado por irregularidades em contratos de obras públicas.

- Venezuela -
A Comissão de Controladoria do Parlamento venezuelano – dominado pela oposição - disse que investigará os supostos subornos a funcionários do governo e intermediários para a obtenção de obras públicas entre 2006 e 2015, durante os governos de Hugo Chávez e Nicolás Maduro.

A Venezuela foi o segundo país (depois do Brasil) em valor de subornos pago pela Odebrecht, totalizando 98 milhões de dólares.

- Panamá -
O governo do Panamá prometeu processar e punir os funcionários que receberam mais de 59 milhões de dólares em subornos da Odebrecht, informou uma fonte oficial.

O Ministério Público declarou que pedirá informações aos Estados Unidos sobre o caso.

De acordo com o departamento americano de Justiça, a Odebrecht recebeu mais de 175 milhões de dólares com os contratos obtidos no Panamá por meio de subornos.

Veja também

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara
STF

Gilmar suspende inquérito contra desembargador que deu carteirada para não usar máscara

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação
Pandemia

Governo desrespeita prazos, e Lewandowski cobra planos para Manaus e vacinação