Superior Tribunal Militar gasta R$ 100 mil com viagem à Grécia de três ministros em férias

Cada um dos ministros recebeu sete diárias (cerca de R$ 14 mil, segundo a cotação média do euro no período)

Fachada do Supremo Tribunal MilitarFachada do Supremo Tribunal Militar - Foto: Reprodução/Internet

O Superior Tribunal Militar (STM ) gastou cerca de R$ 100 mil em passagens e diárias com a viagem de três ministros à Grécia, em julho, durante as férias coletivas. Eles participaram de um seminário de dois dias, em Atenas, promovido pela Associação Internacional das Justiças Militares, uma entidade privada.

O evento foi realizado no Athens Plaza Hotel, estabelecimento de cinco estrelas, próximo à Acrópole (diárias de R$ 2.800 a R$ 10 mil, além de taxas). O presidente do STM, almirante Marcus Vinícius Oliveira dos Santos, proferiu palestra no dia 5 de julho sobre "Forças Armadas e atuação na garantia da lei e da ordem". Viajou no dia 27 de junho e retornou em 16 de julho.

O Superior Tribunal Militar disse que Santos "intercalou o evento com o seu período de férias no recesso do Judiciário".

Leia também:
Prefeitura do Rio usa fake news em pedido ao STF para tentar manter censura
STF derruba decisão que autorizava censura a HQ com beijo gay na Bienal do Livro
STF suspende julgamento sobre frete, e caminhoneiros discutem greve

As passagens do presidente custaram R$ 28,3 mil. As dos ministros do STM Álvaro Luiz Pinto e Péricles Aurélio Lima de Queiroz custaram R$ 13,8 mil. O tribunal informou que as passagens "foram expedidas para período e classe diferentes".

Cada um dos três recebeu sete diárias (cerca de R$ 14 mil, segundo a cotação média do euro no período). O seminário recebeu patrocínio do Bradesco, que mantém a folha de pagamento da Justiça Militar em São Paulo. O banco não informou o valor do patrocínio. O encontro não foi divulgado no site do STM.

A reportagem consultou ministros, juízes e ex-membros do Conselho Nacional de Justiça, sob o compromisso de terem os nomes preservados. Dois deles foram corregedores. Eles criticam o fato de as férias terem sido interrompidas para o seminário, e, no caso do presidente, de a viagem ter sido prorrogada, com recursos públicos.

A interrupção ou fracionamento de férias não foi prevista na Loman (Lei Orgânica da Magistratura Nacional). Em 2018, o CNJ entendeu que a possibilidade de interrupção de férias deve ocorrer "somente para os cursos oficiais das escolas judiciais". Não é o caso da viagem à Grécia.

A Associação Internacional das Justiças Militares tem sede em Florianópolis. Foi criada em 2003 e reúne representantes de mais de 15 países. A ideia de criação de uma entidade para "congregar os estudiosos da Justiça Militar e do direito militar" foi lançada em 2000, durante encontro realizado em Brasília.

O presidente é o juiz paulista Paulo Adib Casseb, ex-presidente do Tribunal de Justiça Militar de São Paulo. Casseb é coordenador da Justiça Militar na Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB).

A AMB disponibilizou dez vagas para associados participarem do seminário em Atenas. Eles pagariam passagens, hospedagem, transporte e alimentação. Não foram preenchidas as vagas.

Em 2012, ministros do Superior Tribunal de Justiça e presidentes de Tribunais Regionais Federais visitaram tribunais e universidades da Alemanha. Viajaram em primeira classe, com despesas pagas pelo erário. Dez juízes pagaram passagens, hospedagem e alimentação.

Outro lado
O Superior Tribunal Militar informou que "os afastamentos de ministros para participação em eventos representando oficialmente o STM, inclusive com o recebimento de diárias, depende de autorização do plenário da corte".

"Quando o evento coincide com o período de férias coletivas dos magistrados, há a suspensão temporária das mesmas para os ministros participantes. Foi o que ocorreu no caso em apreço", informou a assessoria. "O STM sempre arca com as despesas dos seus servidores quando em representação ou em serviço", afirmou.

A corte disse ainda que a Associação Internacional das Justiças Militares (AIJM) "não tem qualquer ligação institucional com o tribunal". Ainda segundo a assessoria, não houve divulgação do seminário no site do tribunal "porque o evento não era organizado pelo STM".

A AIJM informou que viajaram cinco magistrados e que membros da diretoria viajaram "com afastamento regular, pagaram com recursos próprios e sem diárias".

Sobre o patrocínio do Bradesco, informou que "os magistrados militares não julgam ações relacionadas a bancos e instituições financeiras, inexiste conflito de interesse nesse patrocínio, cujo único objetivo do patrocinador é a divulgação da marca".

"Sendo a associação uma entidade privada, que não recebe subvenção ou recurso público, se reserva ao direito de não tratar dos valores concernentes ao patrocínio do evento", informou.

O Bradesco informou que patrocinou o seminário "pelo interesse comercial junto aos clientes e potenciais clientes dessa categoria profissional, para a colocação de produtos e serviços financeiros". "Atualmente, o Bradesco mantém a folha de pagamento da Justiça Militar de São Paulo, a qual foi adquirida em processo licitatório", informou. 

Veja também

Jair Bolsonaro comunicou a ministros da corte que indicará Kassio Nunes para o tribunal
justiça

Jair Bolsonaro comunicou a ministros da corte que indicará Kassio Nunes para o tribunal

Escolha de ministros para STF tem semelhanças com indicação de juiz para Suprema Corte dos EUA
política

Escolha de ministros para STF tem semelhanças com indicação de juiz para Suprema Corte dos EUA