Supremo manda PF prender deputado condenado em segunda instância

Na sessão de terça (6), a Primeira Turma da Corte rejeitou recurso protocolado pela defesa do parlamentar, que alegou prescrição da pretensão punitiva

João Rodrigues (PSD)João Rodrigues (PSD) - Foto: Divulgação

O Supremo Tribunal Federal (STF) determinou nesta quarta-feira (7) a expedição do mandado de prisão do deputado João Rodrigues (PSD-SC), condenado pela segunda instância da Justiça Federal a cinco anos e três meses por dispensa irregular de licitação, quando ocupou o cargo de prefeito de Pinhalzinho (SC). Caberá à Polícia Federal (PF) cumprir a decisão.

Na sessão de ontem (6), a Primeira Turma da Corte rejeitou recurso protocolado pela defesa do parlamentar, que alegou prescrição da pretensão punitiva. A execução da pena será de responsabilidade do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sediado em Porto Alegre.

O julgamento também foi marcado pela manifestação do ministro Alexandre de Moraes, a favor da execução provisória da pena após o fim dos recursos na segunda instância da Justiça.

Em seu voto, Moraes afirmou que a execução provisória da pena é compatível com a Constituição. Ele disse que resolveu se manifestar sobre o caso após o anúncio da presidente do STF, Cármen Lúcia. Na semana passada, a ministra disse que o assunto não será julgado novamente. Com a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela segunda instância da Justiça Federal, houve manifestações a favor da revisão do entendimento.

Veja também

Proibição de disparos em massa e punição a plataformas: os principais pontos da PL das fake newsProjeto de lei

Proibição de disparos em massa e punição a plataformas: os principais pontos da PL das fake news

Lula segue na liderança, seguido por Bolsonaro e Moro, segundo pesquisa Quaest; veja os númerosEleições 2022

Lula segue na liderança, seguido por Bolsonaro e Moro, segundo pesquisa Quaest