Suspeito da morte de Marielle citou nome de Bolsonaro em condomínio, diz porteiro

Como houve citação ao nome do presidente, a lei obriga que o Supremo Tribunal Federal (STF) analise o caso.

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: AFP

O Jornal Nacional divulgou na noite desta terça-feira (29) o acesso exclusivo a registros da portaria do condomínio Vivendas da Barra, onde está a residência de Ronnie Lessa,  o principal suspeito do assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

 Lessa é acusado de ser o autor dos disparos que mataram a vereadora Marielle Franco.

Segundo depoimento de um porteiro do condomínio, horas antes do assassinato, em 14 de março de 2018, o outro suspeito do crime, Élcio de Queiroz, entrou no Vivendas da Barra e disse que iria para a casa do então deputado Jair Bolsonaro.

Leia também:
Investigações do caso Marielle levarão a novas prisões, diz delegado
Caso Marielle: polícia cumpre cinco mandados de prisão

Como houve citação ao nome do presidente, a lei obriga o Supremo Tribunal Federal (STF) analise o caso.

Os registros de presença da Câmara dos Deputados, no entanto, mostram que Bolsonaro estava em Brasília no dia citado. 

Veja também

Datafolha: 49% apoiam impeachment de Bolsonaro, e 46% são contrários
Brasil

Datafolha: 49% apoiam impeachment de Bolsonaro, e 46% são contrários

Em encontro com ruralistas, Bolsonaro, sem máscara, volta a causar aglomeração
Pandemia

Em encontro com ruralistas, Bolsonaro, sem máscara, volta a causar aglomeração