Tamanho do apoio à reforma é desafio dos governadores

É consenso que, em algum momento, os gestores terão que apoiar

Paulo Câmara (PSB)Paulo Câmara (PSB) - Foto: Rafael Furtado/ Folha de Pernambuco

Até a reunião que terão, no próximo dia 8, com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, o desafio dos governadores é chegar a um denominador comum sobre o tamanho do apoio que darão à Reforma da Previdência. Os gestores de executivos estaduais têm convicção de que, se não houver algum movimento pró-reforma, não terão também gesto do Planalto em socorro aos Estados. Isso foi à pauta do Fórum de Governadores anteontem. Em algum momento, terão que declarar apoio à reforma. Nos bastidores, a movimentação de partidos do centrão no sentido de retirar da proposta, na Comissão Especial, a vinculação das regras de aposentadoria proposta aos servidores da União ao funcionalismo de Estados e municípios, é lida como uma forma de pressionar os gestores a abraçarem a "causa". Presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira convocou reunião do Diretório Nacional para, hoje, às 8h30. Siqueira já se mostrou pró-fechamento de questão contra a reforma e o diretório é formado por uma ala mais orgânica. A opinião de Siqueira pesa sobre os membros. O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, por sua vez, é a favor de discutir a reforma, mas não abre mão da retirada de pontos como a capitalização, a desconstitucionalização, mudanças no BPC e na aposentadoria do trabalhador rural. São os tópicos que constam na carta dos governadores do Nordeste. Sobre parte deles, há entendimento no sentido de o governo ceder, mas a capitalização e a desconstitucionalização são vistos como alvos de maior resistência. O PSB deve deliberar sobre a posição oficial e a condição dos três governadores da sigla, Paulo, Renato Casagrande (ES) e João Azevedo (PB) pode pesar.

 

 

Ajudinha do “centrão”

 

A oposição tem 12 membros na Alepe, mas a PEC que vincula as emendas parlamentares ao orçamento, de autoria da frente parlamentar instalada para fiscalizar os orçamentos federal e estadual, teve, ontem, no plenário da Casa de Joaquim Nabuco, 30 votos a favor. Deputados brincavam que o “centrão” ajudou os oposicionistas. Leia-se: governistas deram recado ao Palácio.
Nem...> Quando o presidente da CCJ, Waldemar Borges, subiu à tribuna para justificar o voto a favor da PEC 4/2019, deu-se um silêncio geral no plenário. Nas coxias, comentava-se que raras vezes se viu os deputados tão atentos ao discurso de alguém.
...um pio > Já havia se dado o acordo que levou a PEC a retornar à CCJ para receber emendas e Waldemar, que é socialista, na tribuna, avisou o seguinte: “Serei sempre contra quem quiser fazer da força um argumento”. Dado o recado, ninguém dava um pio, só ouvindo.
Vitória 1 > O presidente do PSL e deputado federal, Luciano Bivar, comemora a primeira vitória da CCJ, que aprovou o parecer pela admissibilidade da Reforma da Previdência.
Vitória 2 > Segundo Bivar, o PSL foi fundamental. “Vamos aguardar, agora, o próximo passo que é a tramitação na Comissão Especial, onde será analisado o mérito do texto”, pontua.
Não quer... > Diante de informações dando conta de que o governo estaria hipotecando um extra de R$ 40 milhões em emendas a cada deputado que votar a favor da reforma da Previdência, o deputado Danilo Cabral observa que o governo “abriu a velha caixa de ferramentas na discussão”.
...calar > “Começou o toma lá dá cá”, diz ele, “com promessa de emendas e ocupação de cargos”. E questiona: “Velha política, é assim que ainda se chama, né?”.

Veja também

Centrão vira fiel da balança sobre permanência de Pazuello na Saúde
Saúde

Centrão vira fiel da balança sobre permanência de Pazuello na Saúde

Entidades católicas e evangélicas apresentam pedido de impeachment contra Bolsonaro
Governo Federal

Entidades católicas e evangélicas apresentam pedido de impeachment contra Bolsonaro