Divergência

Tarcísio x Bolsonaro: ganho ao se distanciar ou perda por correr risco de repetir Doria?

Especialistas comentam exposição da divergência entre o governador de São Paulo e o ex-presidente na reunião do PL horas antes da votação da Reforma Tributária

Bolsonaro e Tarcísio de Freitas Bolsonaro e Tarcísio de Freitas  - Foto: Marina Uezima

Tarcísio de Freitas não foi o único governador aliado de Jair Bolsonaro que não obedeceu a orientação do ex-presidente de votar contra a Reforma Tributária, mas ficou parecendo. Ciente desde a campanha eleitoral da necessidade de se equilibrar no elástico campo que vai do centro à extrema direita, Cláudio Castro também foi defensor da PEC aprovada na noite de quinta-feira, mas não caiu na cilada de participar do encontro filmado em vídeo com a bancada do PL onde a cisão Tarcísio e Bolsonaro ficou exposta para todo o Brasil.

Afinal, se distanciar do padrinho político e alçar voo próprio após a decisão pela inelegibilidade do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é uma estratégia correta para o governador de São Paulo? Quem mexe com pesquisas eleitorais concorda que a posição favorável à reforma é correta do ponto de vista do mérito da proposta, mas diverge sobre o impacto eleitoral de olho nas eleições de 2026.

Mauro Paulino, comentarista da Globonews e ex-diretor do Datafolha, acha correto o movimento. Pensa que o governador de São Paulo emergiu como "protagonista da conciliação" e dividiu espaço com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e o presidente da Câmara, Arthur Lira.

— Acho que mais ganhou do que perdeu. Tarcísio precisa se viabilizar como líder da direita que se divide entre moderados (em ascensão) e bolsonaristas (em declínio). É verdade que perdeu prestígio com a direita extremista, mas ela é a grande derrotada do momento. Terá apenas que suportar a campanha de difamação.

Maurício Moura, professor da Universidade George Washington e fundador do Ideia Big Data, pondera que ainda é cedo para saber o impacto, mas acha que o cenário brasileiro pode repetir o americano, após a derrota de Donald Trump nas eleições de 2020 contra Joe Biden.

— A experiência de acompanhar o Trump mostrou que todos os republicanos que entraram em rota de colisão com o ex-presidente saíram menores. Acho que o Tarcísio vai viver o mesmo dilema dos republicanos nos EUA.

Tanto Felipe Nunes, fundador da Quaest, quanto Antonio Lavareda, do Ipespe, lembram do ex-governador de São Paulo, João Doria, que viu sua popularidade desabar após romper com o ex-presidente na pandemia da Covid-19.

— Politicamente Tarcísio abalou sua imagem no bolsonarismo, mas ganhou o centro. Ou seja, com Bolsonaro elegível diria que teria sido uma derrota para ele. Mas sem o ex-presidente no jogo, a direita vai acabar no colo dele lá na frente. De qualquer forma, ele terá que passar pelo purgatório para não virar Dória ou Wilson Witzel — diz Nunes.

Lavareda considera que o episódio pode ter assinalado o início do afastamento entre os dois e que o governador de Minas Gerais, Romeu Zema, pode tentar ser o "escolhido" de Bolsonaro para 2026.

— Tarcísio ficou entre a cruz e a caldeirinha. Ou acompanhar Bolsonaro numa "ideological trip" de antemão fadada ao insucesso ou mostrar-se sintonizado com as forças produtivas do país, cujo epicentro é São Paulo. Como engenheiro, certamente fez o cálculo do custo-benefício do movimento. Pode ser o nascimento do novo líder da centro-direita "normal", sem cacoete antissistema.

Veja também

Lira diz que em dois dias Câmara 'já serenou um pouco'
DECORO

Lira diz que em dois dias Câmara 'já serenou um pouco'

97% discordam totalmente da PL 1904, segundo enquete da Câmara
VOTAÇÃO

97% discordam totalmente da PL 1904, segundo enquete da Câmara

Newsletter