Temer boicotou acordo de SP para anunciar medidas pelo fim da greve

Depois de cancelar sua ida ao Palácio dos Bandeirantes neste domingo (27), o ministro Carlos Marun disse por telefone a França que o governo não poderia garantir o congelamento do preço do diesel por 60 dias, como pediram os motoristas.

Michel TemerMichel Temer - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O presidente Michel Temer (MDB) boicotou o acordo que o governador de São Paulo, Márcio França (PSB), estava prestes a fechar com caminhoneiros para anunciar ele próprio medidas para encerrar a greve.

Depois de cancelar sua ida ao Palácio dos Bandeirantes neste domingo (27), o ministro Carlos Marun disse por telefone a França que o governo não poderia garantir o congelamento do preço do diesel por 60 dias, como pediram os motoristas.

Alegou ter entraves de ordem econômica e judicial, segundo declarou o governador em entrevista.

Leia também:
Temer avalia novo pronunciamento sobre crise de abastecimento
Marun apresenta a Temer mais reivindicações dos caminhoneiros


Com isso, inviabilizou o acordo do governo paulista, que estava avançado: 80% dos caminhoneiros parados já tinham deixado as manifestações em São Paulo, segundo França.

Horas depois, contudo, Temer anunciou em pronunciamento que atenderia a demanda e garantiu a manutenção do preço do diesel por 60 dias.

A resposta dos caminhoneiros aos pedidos de França foi considerada positiva -auxiliares acreditavam durante a tarde que seria possível anunciar o fim da greve no estado ainda no domingo.

O recuo inusitado de Temer acendeu alertas no Palácio dos Bandeirantes.

Colaboradores de França entenderam que a jogada visou neutralizá-lo nas negociações.

Aliados do governador paulista dizem que Temer quis se manter à frente da condução da crise e ainda fez cálculos eleitorais.

O MDB lançará Paulo Skaf na disputa e terá França como adversário. Auxiliares de Skaf reconheceram a competência do governador, que demorou para entrar em campo publicamente, mas foi ágil quando assumiu a negociação. Eles disseram que o presidente da Fiesp não atuou no caso.

Veja também

Câmara aprova urgência e acelera projeto para substituir Lei de Segurança Nacional
Congresso

Câmara aprova urgência e acelera projeto para substituir Lei de Segurança Nacional

Em reunião com embaixador americano, Paulo Câmara defende ações em defesa do meio ambiente
Blog da Folha

Em reunião com embaixador americano, Paulo Câmara defende ações em defesa do meio ambiente