Temer coloca em risco R$ 14 bi em troca de aprovação de receitas

Governo cedeu e vai dar ao Congresso o poder de decidir medidas controversas que podem colocar em risco cerca de R$ 14 bi necessários para o cumprimento da meta de deficit de R$ 159 bi no próximo ano

Rodrigo Maia (PMDB-RJ) e Eunício Oliveira (PMDB-CE)Rodrigo Maia (PMDB-RJ) e Eunício Oliveira (PMDB-CE) - Foto: Pedro França/Agência Senado

O governo cedeu e vai dar ao Congresso o poder de decidir medidas controversas que podem colocar em risco cerca de R$ 14 bilhões necessários para o cumprimento da meta de deficit de R$ 159 bilhões no próximo ano.

Para agradar o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), Temer desistiu de baixar medidas provisórias para adiar o reajuste e aumentar a contribuição previdenciária dos servidores federais, além de taxar fundos exclusivos de investimento.

Leia também:
Governo Temer: traições não serão toleradas
Votação da denúncia contra Temer deve dominar debates desta semana na Câmara


Em vez disso, o presidente acertou com Maia que enviará as propostas como projetos de lei ao Congresso – que têm de ser votados até o fim do ano para garantir a entrada de receitas no caixa do governo em 2018.

Em troca, Maia se comprometeu em acelerar a votação desses projetos. Caso não sejam aprovados a tempo, em último caso, o governo poderá voltar atrás e editar as medidas provisórias, cujo principal diferencial é que têm efeito imediato.

As negociações entre o Legislativo e o governo se arrastam há semanas e foram concluídas às vésperas da votação da denúncia contra Temer na Câmara.

Esta é a segunda vez que Maia ganha protagonismo em assuntos da área econômica. Na semana passada, diante do impasse com a MP da leniência dos bancos, o presidente da Câmara patrocinou um projeto de lei com o mesmo conteúdo, e a votação foi concluída em dois dias na Casa.

Orçamento

Nesta segunda-feira (23), Temer e seus principais assessores da área política e econômica se reuniram para definir os detalhes dos projetos de lei geradores de receita, a fim de que a programação orçamentária do próximo ano seja enviada ao Congresso até sexta-feira (27).

O Orçamento de 2018 está pendente desde o final de agosto, quando o governo anunciou a revisão da meta de deficit de R$ 129 bilhões para R$ 159 bilhões.

Nos bastidores, a equipe econômica considera haver risco de que as medidas demorem mais do que o previsto para serem aprovadas, mas trabalha com a possibilidade de recursos extras para cobrir o buraco.

A arrecadação vem dando sinais de recuperação nos últimos meses e há outras medidas em estudo para estimular a atividade econômica.

Próximos passos
Em outra frente, o ministro Henrique Meirelles (Fazenda) passa a buscar uma aproximação com Rodrigo Maia para tentar destravar a pauta econômica pós-votação da denúncia.

Meirelles deve procurar Maia nos próximos dias para discutir a proposta do governo de reduzir o pacote de mudanças da reforma da Previdência – a medida sinaliza o comprometimento do governo com o ajuste fiscal. O ministro quer saber se há chances de aprovar o texto até o fim deste ano.

A equipe econômica também quer interlocução para contornar a relação desgastada entre o presidente da Câmara e o Palácio do Planalto.

O ministro da Fazenda afirmou a auxiliares que os seguidos desentendimentos entre Temer e Maia criaram um ambiente de instabilidade que pode colocar em risco a aprovação de medidas prioritárias, como a Previdência e o ajuste orçamentário.

Por isso, o envolvimento de Meirelles será uma maneira de manter o ajuste fiscal vivo mesmo que o governo saia enfraquecido da denúncia contra Temer na quarta-feira (25).

Veja também

Criticado por postura na pandemia, Bolsonaro faz passeio de motocicleta em Brasília
Planalto

Criticado por postura na pandemia, Bolsonaro faz passeio de motocicleta em Brasília

Após esquerda, grupos à direita promovem carreatas contra Bolsonaro
Impeachment

Após esquerda, grupos à direita promovem carreatas contra Bolsonaro