Temer decide não conceder indulto de Natal neste ano

Esta será a primeira vez desde a redemocratização que um presidente não edita o decreto

Ex-presidente Michel TemerEx-presidente Michel Temer - Foto: Evaristo Sá/AFP

Integrantes do primeiro escalão do governo Michel Temer afirmam que o presidente decidiu não assinar o decreto que concede indulto de Natal neste ano. A decisão sobre o assunto ficará para a gestão de Jair Bolsonaro (PSL), que assume o país nesta terça-feira (1º).

Leia também:
Indulto de Natal: direito ou equívoco?


Esta será a primeira vez desde a redemocratização que um presidente não edita o decreto. A Defensoria Pública da União chegou a fazer um apelo ao emedebista pelo indulto.

Nos últimos dias, o presidente colecionou recuos sobre o assunto, mas a decisão agora seria definitiva. Na véspera de Natal, na segunda-feira (24), o Palácio do Planalto havia informado por meio de sua assessoria de imprensa que não seria editado texto este ano com perdão a criminosos. Temer havia manifestado anteriormente que não concederia indulto natalino neste ano após o pedido de vista do ministro Luiz Fux, do STF, sobre a constitucionalidade da medida editada no ano passado pelo presidente.

Em 2017, o decreto editado por Temer perdoava condenados por corrupção que tivessem cumprido um quinto (o equivalente a 20%) da pena até 25 de dezembro de 2017. Esse foi o ponto considerado mais controverso e que motivou questionamento da PGR (Procuradoria-Geral da República) no Supremo Tribunal Federal.

Em dezembro do ano passado, durante o recesso do Judiciário, a então presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, atendeu ao pedido da Procuradoria e suspendeu os trechos contestados. O STF, que é a mais alta instância do Judiciário brasileiro, não chegou a concluir a análise do tema, já que na sessão do mês passado o ministro Luiz Fux pediu vista e suspendeu o julgamento indefinidamente. Já havia maioria pela constitucionalidade da iniciativa do presidente. Para a maioria dos magistrados, o indulto é uma prerrogativa constitucional do presidente da República e o Judiciário não pode interferir em seu conteúdo.

Presidente eleito
Nas redes sociais, Bolsonaro afirmou, na ocasião do julgamento pelo Supremo, que, caso houvesse o perdão neste fim de ano, ele não seria repetido em seu mandato. "Fui escolhido presidente do Brasil para atender aos anseios do povo brasileiro. Pegar pesado na questão da violência e criminalidade foi um dos nossos principais compromissos de campanha. Garanto a vocês, se houver indulto para criminosos neste ano, certamente será o último", escreveu em novembro.

Ainda naquele mês, afirmou em entrevista que havia acertado essa posição inclusive com o futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, responsável pela Lava Jato em Curitiba até aceitar o convite para integrar o novo governo. "Não é apenas a questão de corrupção, qualquer criminoso tem que cumprir sua pena de maneira integral. É isso inclusive que eu acertei com Sergio Moro, indicado para ser ministro da Justiça", disse Bolsonaro.

Após a suspensão do julgamento pelo STF, Moro também afirmou que não haverá, na gestão Bolsonaro, indultos com "tão ampla generosidade" quanto o que considera ter havido no decreto de 2017. Integrantes da força-tarefa da Lava Jato, que investiga o esquema de corrupção na Petrobras que atingiu políticos de diversos partidos, são contra a concessão do benefício nos moldes estipulados em 2017.

A edição ou não do indulto não interfere nos chamados "saidões", que são a liberação pelos juízes das varas de execução de presos de bom comportamento para deixarem a cadeia em períodos festivos, com o compromisso de retornarem ao final das celebrações.

Veja também

Governo defende que civis sejam julgados pela Justiça Militar em caso de ofensa às Forças Armadas
Brasil

Governo defende que civis sejam julgados pela Justiça Militar em caso de ofensa às Forças Armadas

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid
Coronavírus

Osmar Terra publica mensagem de pesar pelas 500 mil mortes por Covid