Temer e Meirelles discutem eventual candidatura presidencial do MDB

Nesta semana, o ministro disse que tomará uma decisão sobre sua candidatura ao Palácio do Planalto até abril

Ministro da Fazenda Henrique MeirellesMinistro da Fazenda Henrique Meirelles - Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

O presidente Michel Temer se reuniu no final da tarde deste sábado (24) com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. No encontro, além de discutirem a pauta econômica e remanejamentos orçamentários, trataram da sucessão presidencial deste ano, sobretudo uma eventual candidatura do MDB.

Nesta semana, o ministro disse que tomará uma decisão sobre sua candidatura ao Palácio do Planalto até abril e que sua etapa à frente da pasta está concluída. Nos bastidores, ele tem negociado uma filiação ao MDB, mas a possibilidade de uma candidatura à reeleição do presidente tem atrapalhado os planos eleitorais de Meirelles.

Leia também
FHC também era inviável antes da campanha, diz Meirelles
Não serei candidato, afirma Temer em entrevista


O ministro decidiu fazer uma jogada arriscada e comunicar ao presidente que deseja ser o candidato do MDB ao Palácio do Planalto. O cálculo político é forçar o posicionamento de Temer até o início de abril, quando Meirelles precisa sair do cargo caso queira concorrer. Assim, o ministro transfere ao presidente a responsabilidade por vetá-lo ou não para a disputa de outubro.

Apesar de dizer publicamente que não é candidato, o presidente passou a considerar essa hipótese. Ele deu a ordem, contudo, para que seus auxiliares mais entusiasmados esperem possíveis resultados da intervenção federal no Rio de Janeiro que possam ter reflexos eleitorais. A estratégia esboçada pela equipe de marketing é transformar o presidente em um candidato linha-dura, aproximando-o do campo da direita e assumindo a bandeira da segurança pública.

Segundo pesquisa promovida pelo MDB, o tema é um dos que mais preocupa a população brasileira para a sucessão do Palácio do Planalto neste ano.
Para reforçar o endurecimento na imagem de Temer, a ideia é que ele aumente aparições públicas ao lado de soldados e generais e faça mais viagens a locais que enfrentam problemas de insegurança, como Rio de Janeiro e Ceará.

Ele também deve mudar a linha do discurso. A proposta é que ele simplifique a linguagem, para que seja acessível às camadas menos instruídas, e adote expressões mais enérgicas, como "Chega" e "Basta". As duas foram usadas, por exemplo, na assinatura do decreto de intervenção do Rio de Janeiro.Para ser candidato, no entanto, o presidente sabe que precisa se viabilizar eleitoralmente até maio, prazo que estabeleceu para definir se tentará a reeleição.

A meta do chamado "Plano Temer", estruturado pela equipe de marketing do emedebista, é elevar os índices de aprovação para 15% e reduzir os percentuais de rejeição para 60%. Segundo a última pesquisa Datafolha, hoje 6% consideram o governo ótimo ou bom e 70% o avaliam como ruim ou péssimo.

Veja também

PL das fake news traz avanços ao exigir transparência das plataformas, dizem especialistasFAKE NEWS

PL das fake news traz avanços ao exigir transparência das plataformas, dizem especialistas

O tamanho do bolsonarismo em Pernambuco Edmar Lyra

O tamanho do bolsonarismo em Pernambuco