Política

Temer é opção para ser candidato a presidente, diz Jucá

O presidente tem apenas 6% de aprovação, segundo pesquisa Datafolha do fim de janeiro

Presidente da República Michel TemerPresidente da República Michel Temer - Foto: Beto Barata / PR

Presidente nacional do MDB, o senador Romero Jucá (RR) disse nesta quarta-feira (21) que o presidente Michel Temer pode, sim, ser o candidato do partido à Presidência da República em 2018. "O presidente Michel Temer é uma opção do MDB para ser candidato à Presidência da República se ele assim entender", afirmou Jucá.

O senador disse que seu partido defende candidatura própria e que a decisão é de Temer. "O presidente vai decidir no momento apropriado", disse Jucá. "O presidente sempre é um nome. Temos muitos nomes. Estamos discutindo qual o nome mais viável, mais factível", afirmou após reunião da executiva nacional do MDB.

Leia também:
Lula diz que Temer usa intervenção militar para 'se cacifar' na eleição
Temer rebate Lula e nega 'significação eleitoral' em intervenção
Intervenção no Rio de Janeiro não é agenda eleitoral, diz porta-voz de Temer


Aliados de Temer têm defendido que, apesar da baixíssima popularidade -tem apenas 6% de bom ou ótimo, segundo pesquisa Datafolha do fim de janeiro-, ele dispute neste ano. A onda de apoios cresceu desde que Temer decidiu intervir na segurança pública do Rio de Janeiro.

Nesta quarta, Elsinho Mouco, marqueteiro do Palácio do Planalto, divulgou nota em que defende a candidatura. "Não é de hoje que digo a todos com quem converso que um dia eu ainda o veria assumindo um papel maior do que seus adversários gostariam que tivesse", disse Mouco.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva acusou Temer de usar a intervenção no Rio para se cacifar. "Está pensando com isso em se cacifar pra ser presidente", afirmou Lula. Temer, então, rebateu o petista em nota. Afirmou que não seguirá em busca de "aplauso fácil", que a agenda eleitoral "não é e nem será causa" das ações governamentais e que a iniciativa no Rio de Janeiro não tem "significação eleitoral".

Na contramão
Na contramão de Jucá e de Mouco, outros aliados de Temer procuraram minimizar a disposição do presidente de tentar se reeleger. "O presidente continua com a mesma posição de não querer disputar as próximas eleições. O fato de ter gente se preocupando [com a possibilidade] também não é de todo mal. Quando os adversários se preocupam, é porque a gente está no caminho certo", disse o ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo).

Questionado se o presidente está pensando em reeleição, Moreira Franco, ministro da Secretaria-Geral, limitou-se a dizer que "claro que não". "Várias vezes eu já falei isso", afirmou. Para o ministro Leonardo Picciani (Esporte), o MDB "enxerga como possibilidade" o nome de Temer para disputar a eleição, mas ressaltou que o presidente "não manifestou ao partido, até aqui, nenhuma intenção de ser [candidato]".

Picciani disse que a baixa popularidade de Temer ainda é reflexo das dificuldades pelas quais o país passou durante a administração do PT e que as medidas do emedebista na segurança pública seriam reconhecidas pela população. "O presidente terá reconhecimento pela coragem. Seus antecessores sempre empurraram [a questão da segurança pública] para os Estados", afirmou Picciani.

Veja também

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro
Bolsonaro

Witzel pediu vaga no STF para resolver "rachadinha" de Flávio, diz Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro
Bolsonaro

"O maior culpado na Furna da Onça é o Flávio", reclamou Bolsonaro

Newsletter