Temer em operação de guerra para conseguir apoio

Nas vésperas da votação da denúncia contra ele no plenário da Câmara, o presidente entrou no corpo a corpo para conseguir conquistar os indecisos

Michel Temer no G20Michel Temer no G20 - Foto: Patrik Stollarz/AFP

A uma semana da votação da denúncia por corrupção passiva na Câmara Federal, o presidente Michel Temer deflagrou uma verdadeira operação de guerra para tentar se blindar. Desde o começo da semana, ele passou a ligar pessoalmente para deputados que ainda não decidiram seus votos, com o intuito de aprentar sua defesa. No entanto, a divulgação da última pesquisa Ipsos Public Affairs, ontem, poderá atrapalhar os planos do peemedebista. Segundo o instituto, 94% dos brasileiros desaprovam completamente a gestão, que recebeu a pior avaliação desde que a séria de estudos foi iniciada, em 2005.

De acordo com o vice-líder do governo na Câmara, Beto Mansur (PRB-SP), as ligações telefônicas feitas por Temer resultaram na redução de 80 para 60 do número de deputados indecisos. No diálogo com os parlamentares, o presidente garante que é inocente e destaca que é importante que deputados votem com consciência, convencidos de que ele não cometeu crime. O deputado alega que Temer já contabiliza cerca de 280 votos, 108 a mais do necessário para barrar a denúncia no plenário.

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, vai convocar uma reunião de líderes da base para fazer uma contagem de votos. O encontro deve acontecer nesta quinta-feira e a votação da denúncia está marcada para a próxima quarta-feira. Temer também vai convidar alguns parlamentares para uma visita a seu gabinete e vai continuar a receber seus pedidos, como cargos e emendas.

No final da manhã de ontem, durante o evento de posse do novo ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, no Palácio do Planalto, em Brasília, Temer voltou a bater na tecla de que o País está deixando a recessão para trás e passa a "respirar uma nova economia", apesar das dificuldades ainda enfrentadas. Segundo o presidente, embora haja quem acredite que ele pode ficar "combalido" e "perturbado" com as dificuldades, os desafios o "vitalizam".

Reprovação
Porém, logo depois do evento, a divulgação da mais nova pesquisa Ipsos Public Affairs causou ainda mais preocupação dentro do governo. Segundo o estudo, 94% das pessoas desaprovam a forma como o presidente atua no País e 95% acreditam que o Brasil está no rumo errado. O instituto entrevistou, entre os dias 1º e 14 de julho, 1.200 pessoas em 72 municípios brasileiros. Do total de entrevistados, 85% avaliam a gestão como ruim ou péssima, sendo a pior avaliação desde que a série começou a ser feita.

Novas denúncias
Outra grande preocupação, para o Palácio do Planalto, é a possibilidade de uma nova denúncia contra Temer. Mas o grupo de trabalho da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR) pretende apresentar apenas mais uma denúncia contra o presidente, e não duas como chegou a ser cogitado em junho.

Investigadores trabalham durante o recesso do Judiciário com a meta de encerrar a apuração que trata dos crimes de obstrução da Justiça e organização criminosa. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também planeja encerrar as investigações sobre as supostas organizações criminosas formadas por partidos políticos antes do término do seu mandato, em meados de setembro. O objetivo é oferecer ao menos quatro denúncias, com base na primeira "lista do Janot" de 2015, contra o PP, PT e PMDB - neste último, serão duas denúncias, uma contra o grupo da Câmara e outra contra o grupo de senadores.

A expectativa é de que com essas denúncias Janot consiga deixar a PGR com os políticos já na fila para se tornarem réus no Supremo Tribunal Federal.

Veja também

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal
Protesto

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus