Temer enfrenta hoje nova votação na Câmara para se manter na Presidência

Câmara de Deputados decidirá se autoriza o Supremo a analisar uma denúncia contra o presidente

Michel Temer Michel Temer  - Foto: Evaristo Sá/AFP

Michel Temer enfrenta nesta quarta-feira (25) uma segunda votação sobre sua permanência no cargo, a segunda em menos de três meses, quando a Câmara dos Deputados decidirá se autoriza o Supremo a analisar uma denúncia contra o presidente. O chefe de Estado, de 77 anos, liderou as negociações com os deputados para garantir que a oposição não conseguirá os 342 votos (2/3 dos 513 deputados) necessários para que a denúncia avance até o Supremo (STF).

Esta estratégia já deu resultado em agosto, quando a Câmara bloqueou um primeiro pedido de análise da denúncia contra Temer, por 263 votos contra 227. Desta vez "podem haver alguns votos a menos ou a mais, mas o presidente não vai cair. A votação será expressiva" a seu favor, disse à AFP uma fonte do Palácio do Planalto.

Leia também:
Ministro do STF nega pedido para suspender votação de denúncia contra Temer
Temer coloca em risco R$ 14 bi em troca de aprovação de receitas
Governo Temer: traições não serão toleradas


De fato, até os deputados da oposição admitem que não têm votos suficientes para derrotar o governo. Para garantir a vitória, Temer passou os últimos dias negociando com deputados indecisos, aos quais telefona pessoalmente ou recebe em seu gabinete.

A oposição acusa Temer de utilizar todos os recursos, inclusive a liberação de verbas públicas e a distribuição de cargos, para "comprar" o apoio dos deputados. Com a aproximação das eleições de outubro de 2018, apoiar um presidente impopular como Temer parece não ser a melhor estratégia para se manter no cargo, mas muitos deputados não consideram uma boa opção derrubar mais um governo após o traumático processo de impeachment de Dilma Rousseff, em 2016, que dividiu o país e paralisou o Congresso durante meses.

Estratégia da oposição
Temer foi acusado pela Procuradoria-geral da República (PGR) de liderar uma organização criminosa para espoliar o Estado e obter 587 milhões de reais em subornos. "Esse governo não tem mais condições morais, institucionais ou políticas para seguir governando o Brasil", afirmou o deputado José Guimarães, do Partido dos Trabalhadores (PT).

Na véspera da votação, o PT e outros partidos de oposição anunciaram que tentarão obstruir a sessão se retirando o Plenário da Câmara, para impedir o quórum mínimo necessário para a votação, de 342 deputados.

Temer assumiu o poder em 2016 após o impeachment de Dilma. Desde então, este veterano político tem conseguido se manter em pé, apesar dos escândalos envolvendo vários de seus ministros, e promover ajustes que começam a dar resultado no relançamento da economia.

Superar esta segunda denúncia certamente abrirá caminho para que Temer conclua seu programa de reformas, com o qual prometeu "colocar o Brasil nos trilhos". Entre as medidas, a mais esperada é a reforma da Previdência, que endurece as condições para a aposentadoria e gera forte resistência, inclusive na base governista.

Veja também

Eleições 2022 já estão no retrovisor de lideranças políticas sertanejas
Carlos Britto

Eleições 2022 já estão no retrovisor de lideranças políticas sertanejas

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco
Folha de Pernambuco

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco