Temer fala em 'botar o país nos trilhos' após vitória na Câmara

Votação nesta quarta-feira (2) atingiu total de votos necessários para que a denúncia contra presidente fosse rejeitada

Temer faz depoimento após votaçãoTemer faz depoimento após votação - Foto: reprodução

O presidente Michel Temer fez na noite desta quarta-feira (2) um apelo pela conciliação nacional e disse que a decisão de barrar denúncia contra ele por corrupção passiva é "uma conquista do estado de direito". Em pronunciamento, o peemedebista afirmou que o plenário se manifestou de forma "clara", "eloquente" e "incontestável" e disse que os princípios do direito "venceram com votos acima da maioria absoluta".

A base do governo barrou denúncia contra o presidente com um placar de 263 contra 227. O placar foi um pouco superior ao que era esperado pelo Palácio do Planalto, que era de 250. "A decisão soberana do parlamento não é uma vitória pessoal de quem quer que seja, mas é uma conquista do estado de direito, da força das instituições e da Constituição Federal", disse.

Segundo ele, com o resultado, é hora de "acabar com os muros" que separam os brasileiros, construindo um país "pacificado", "sem ódio ou rancor". "O nosso destino inexorável é ser uma grande nação. É preciso acabar com os muros que nos separam e nos tornam menores", disse.

O presidente também se comprometeu a dar prosseguimento às reformas previdenciária e tributária e disse que seguirá com o objetivo de tirar o país da crise econômica. Com a denúncia barrada, Temer cobrará agora fidelidade dos partidos governistas e irá retaliar deputados infiéis, exonerando indicados deles em cargos de segundo e terceiro escalões.

O peemedebista deve convocar as bancadas governistas para encontros a partir da semana que vem para cobrar a fatura pelas emendas parlamentares liberadas e pelos postos ocupados por elas na máquina pública.

As trocas serão baseadas no placar da denúncia e serão feitas pela postura individual de cada parlamentar, não pelo posicionamento partidário. Os primeiros que devem ser chamados são parlamentares do PSDB, PSB e PP.

Na Esplanada dos Ministérios, o peemedebista quer manter, pelo menos por enquanto, a configuração atual, com a permanência de ministros do PSDB e PSB. Em conversas reservadas, ele tem dito que a fidelidade dos ministros, que reassumiram mandatos parlamentares para votar contra a denúncia,"será recompensada".

O presidente avaliou como traições, por exemplo, os votos de Carlos Gomes (PRB-RS), Fernando Franceschini (SD-PR) e Esperidião Amin (PP-SC). A ausência de Osmar Serraglio (PMDB-PR), ex-ministro da Justiça, foi vista como sentimento de mágoa em relação ao presidente.

Leia também
Após rejeição da Câmara, Fachin decidirá futuro da denúncia contra Temer
Câmara rejeita mais um requerimento da oposição e atinge quórum para votação
Deputado tatuado, Wladimir Costa ouve bronca de Maia
Governista tumultua sessão com 'pixuleco' e oposição joga dinheiro falso
Líderes orientam bancadas sobre como devem votar
Para ministro, reclamação sobre emendas é "chororô" 

Veja também

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal
Protesto

Cidades têm volta do panelaço em protesto pela má condução da pandemia pelo governo federal

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus