Temer lamenta atropelamento em Copacabana e pede apuração rigorosa dos fatos

Por volta das 20h30 desta quinta-feira (18), um carro invadiu o calçadão de Copacabana

Michel Temer Michel Temer  - Foto: Evaristo Sá/AFP

O presidente Michel Temer lamentou o atropelamento ocorrido na praia de Copacabana na noite desta quinta-feira (18) e prestou solidariedade às famílias das vítimas. Em publicação nesta sexta-feira (19), na rede social Twitter, Temer registrou ainda que espera “apuração rigorosa dos fatos”.

Por volta das 20h30 desta quinta-feira  (18), um carro invadiu o calçadão de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, deixando um bebê de oito meses morto e 16 pessoas feridas. O motorista Antonio Almeida Anaquim contou à polícia que sofre de epilepsia e teve um ataque no momento em que dirigia. Policiais encontraram no veículo medicamentos utilizados para tratar a doença. Anaquim prestou depoimento na Delegacia de Copacabana (12ª DP) nesta sexta (19). Ele não estava alcoolizado, de acordo com o resultado de exame feito pelo Instituto Médico-Legal (IML).

Leia também:
Motorista que atropelou 17 no Rio não estava alcoolizado, diz polícia
Carro invade calçadão e atropela pedestres em Copacabana
Bebê morre em atropelamento no calçadão de Copacabana; mãe fica ferida


“Profundamente triste com a tragédia ocorrida ontem na praia de Copacabana. Minha solidariedade às famílias das vítimas, em especial aos pais da pequena Maria Louise. Torço pela recuperação dos feridos e apuração rigorosa dos fatos”, registrou a mensagem no Twitter do presidente.

De acordo com investigações preliminares, o motorista que dirigia o carro seria epilético e pode ter sofrido um ataque, perdendo o controle do veículo. Segundo o Departamento de Trânsito (Detran), Antonio de Almeida Anaquim estava com a habilitação suspensa desde maio de 2014.

Veja também

TCU veta que governo anuncie em site que promove ilegalidade
Política

TCU veta que governo anuncie em site que promove ilegalidade

STF pressiona contra redução salarial e corte de penduricalhos
Política

STF pressiona contra redução salarial e corte de penduricalhos