Temer lamenta atropelamento em Copacabana e pede apuração rigorosa dos fatos

Por volta das 20h30 desta quinta-feira (18), um carro invadiu o calçadão de Copacabana

Michel Temer Michel Temer  - Foto: Evaristo Sá/AFP

O presidente Michel Temer lamentou o atropelamento ocorrido na praia de Copacabana na noite desta quinta-feira (18) e prestou solidariedade às famílias das vítimas. Em publicação nesta sexta-feira (19), na rede social Twitter, Temer registrou ainda que espera “apuração rigorosa dos fatos”.

Por volta das 20h30 desta quinta-feira  (18), um carro invadiu o calçadão de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, deixando um bebê de oito meses morto e 16 pessoas feridas. O motorista Antonio Almeida Anaquim contou à polícia que sofre de epilepsia e teve um ataque no momento em que dirigia. Policiais encontraram no veículo medicamentos utilizados para tratar a doença. Anaquim prestou depoimento na Delegacia de Copacabana (12ª DP) nesta sexta (19). Ele não estava alcoolizado, de acordo com o resultado de exame feito pelo Instituto Médico-Legal (IML).

Leia também:
Motorista que atropelou 17 no Rio não estava alcoolizado, diz polícia
Carro invade calçadão e atropela pedestres em Copacabana
Bebê morre em atropelamento no calçadão de Copacabana; mãe fica ferida


“Profundamente triste com a tragédia ocorrida ontem na praia de Copacabana. Minha solidariedade às famílias das vítimas, em especial aos pais da pequena Maria Louise. Torço pela recuperação dos feridos e apuração rigorosa dos fatos”, registrou a mensagem no Twitter do presidente.

De acordo com investigações preliminares, o motorista que dirigia o carro seria epilético e pode ter sofrido um ataque, perdendo o controle do veículo. Segundo o Departamento de Trânsito (Detran), Antonio de Almeida Anaquim estava com a habilitação suspensa desde maio de 2014.

Veja também

Saiba a diferença e os efeitos de votos brancos e nulos nas eleições
Eleições 2020

Saiba a diferença e os efeitos de votos brancos e nulos nas eleições

Em Solidão acaba o sonho da candidatura única
Carlos Britto

Em Solidão acaba o sonho da candidatura única