Temer muda horário de votação para escapar de protestos

Ele foi um dos primeiros a votar na PUC, em Perdizes, na zona oeste de São Paulo, às 8h

NinjagoNinjago - Foto: Divulgação

O presidente Michel Temer mudou o horário em que havia programado votar neste domingo (2) em São Paulo para escapar de protestos de estudantes, que o classificam de golpista. Ele foi um dos primeiros a votar na Pontifícia Universidade Católica (PUC), em Perdizes, na zona oeste de São Paulo, às 8h, logo após as urnas eletrônicas terem sido ligadas.

A assessoria da Presidência informara a imprensa que Temer votaria às 11h. O "esculacho" contra Temer havia sido programado por estudantes da PUC, universidade em que ele foi professor de direito constitucional.

"Defendemos a democracia. Como ele tirou nosso voto, vamos tirar o sossego dele", disse à Folha de S.Paulo Vitor Marques, secretário de juventude do PT e estudante de Direito da PUC. No momento em que Temer chegou à PUC, pouco antes das 8h, não havia nenhum manifestante, contra ou a favor ao seu governo.

Primeira dama
Sem a companhia do presidente Michel Temer, a primeira-dama Marcela Temer votou neste domingo (2) pela manhã, no Alto de Pinheiros, na zona oeste de São Paulo.
Marcela não quis falar com a imprensa. Ao ser questionada sobre a queda de Marta Suplicy (PMDB) depois que o PT passou a associá-la a Michel Temer, a primeira dama respondeu com um cumprimento : "Bom dia!".

Marcela vestia uma legging cinza, uma capa cáqui e sapatos de saltos baixos. Estava num carro da Presidência, um SUV Edge preto da Ford, acompanhada por um veículo com seguranças. Chegou às 8h10 no Colégio Rainha da Paz, que fica a cerca de um quilômetro da casa de Temer. Não houve protestos nem apoio ao novo governo. Quando ela votou, não havia mais que dez eleitores na escola. 

Veja também

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico
Plebiscito

Chilenos pausam protestos e vão às urnas em massa em plebiscito histórico

Ministério Público investiga obras de estradas do governo Doria
Justiça

Ministério Público investiga obras de estradas do governo Doria