Temer operou processo de impeachment de Dilma, diz Rodrigo Maia

Maia também afirmou que elogia e agenda econômica de Bolsonaro

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo MaiaPresidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia - Foto: Evaristo Sá/AF

O presidente da Câmara do Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que o ex-presidente Michel Temer (MDB-SP) operou o processo de impeachment da também ex-presidente Dilma Rousseff. "Ela ia cair de qualquer jeito, mas operar o processo pensando em cargos futuros pode gerar um governo com dificuldade", disse ele durante o Festival Piauí de Jornalismo, neste sábado (5). "Fui responsável por não derrubar o Temer. Não seria razoável. Não tive medo, ao contrário. Continuo fazendo a mesma coisa, presidindo a Câmara e impondo os limites entre o legislativo e o executivo", diz ele.

Leia também:
'Espero que a PF já tenha tirado o porte de arma do Janot', diz Rodrigo Maia
Maia: governo deve compensar perdas na Previdência no pacto federativo 

O assuntou surgiu após ser questionado se teria sido covarde por não ter seguindo com o processo de impeachment do Temer. "Nove em cada 10 políticos comandariam o impeachment, mas fiz o contrario. As ambições pessoais não podem estar acima do cargo." Maia, no entanto, afirmou que o governo de Temer conseguiu fazer muita coisa e tocado uma agenda de reformas apoiada pelo atual governo de Jair Bolsonaro.

Maia afirmou que elogia e agenda econômica de Bolsonaro. Segundo ele, o inchaço das contas públicas é o que impede o crescimento econômico do Brasil. "Com juros a 5% e câmbio a R$ 4,00 só não estamos crescendo porque a máquina tá muito grande. Temos a necessidade de repensar o estado e a aprovação das reformas administrativa e tributária é fundamental", disse.

Maia afirma que as políticas salariais das estatais são cerca de 40% mais altas do que nas empresas privadas e utiliza a Eletrobras como exemplo de má gestão. "Já falei para [o ministro da Economia, Paulo] Guedes que ele precisa mostrar esses números para os deputados. Que isso ajudaria a aprovar a privatização [da estatal]." Outro exemplo foi a média salarial dos cargos administrativos da Câmara. "Uma vaga que existe ensino médio tem salário de R$ 15 mil. É muito mais alto do que em qualquer empresa", diz.

Veja também

Ministério de Damares retira do ar nota em que lamentava mortes no Jacarezinho
Governo

Ministério de Damares retira do ar nota em que lamentava mortes no Jacarezinho

Curitiba perde 20 ações da Lava Jato em dois anos, incluindo casos de Lula
Lava Jato

Curitiba perde 20 ações da Lava Jato em dois anos, incluindo casos de Lula