Temer rebate Lula e nega 'significação eleitoral' em intervenção

Segundo o petista, a ação é uma tentativa de 'mudar a pauta' e falar 'somente de segurança pública'

Michel Temer Michel Temer  - Foto: Evaristo SA / AFP

O presidente Michel Temer rebateu nesta quarta-feira (21) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e disse que a intervenção federal no Rio de Janeiro não foi motivada por interesses eleitorais. Em nota, o emedebista afirmou que não seguirá em busca de "aplauso fácil", que a agenda eleitoral "não é e nem será causa" das ações governamentais e que a iniciativa no Rio de Janeiro não tem "significação eleitoral".

"O presidente reitera que toda e qualquer decisão do governo é regida exclusivamente para as reais necessidades do país. A agenda eleitoral não é nem será causa das ações do governo", disse. Na manhã desta quarta-feira (21), Lula afirmou que Temer quer realizar a intervenção federal para avançar sobre "o nicho de eleitores" do pré-candidato presidencial Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

Leia também:
Lula diz que Temer usa intervenção militar para 'se cacifar' na eleição
Com impasse, Temer adia escolha de novo ministro do Trabalho

Segundo o petista, a ação é uma tentativa de "mudar a pauta" e falar "somente de segurança pública". "Temer quer pegar os votos do Bolsonaro e inventou esse de colocar o Exército no Rio de Janeiro. O militar não é preparado para lidar com bandido, mas com inimigo de outro país", disse. No mesmo posicionamento, Temer desautorizou o seu marqueteiro, Elsinho Mouco, um dos principais entusiastas de sua candidatura à reeleição.

Fichas
Em coluna do "O Globo", Elsinho disse que o presidente "já é candidato" e "apostou todas as fichas na intervenção federal" do Rio de Janeiro. Segundo o emedebista, assessores e colaboradores "não falam e não têm autorização para falar em nome do presidente da República".

A declaração do marqueteiro irritou o presidente, o que levou o publicitário a emitir uma nota à imprensa ressaltando que nunca falou em nome do governo e que se trata de uma opinião pessoal. O foco na segurança pública faz parte de estratégia para endurecer a imagem do presidente, na tentativa de reduzir a sua impopularidade e viabilizá-lo para uma candidatura à reeleição presidencial.

Segundo pesquisas internas do MDB, a segurança pública é um dos temas que mais preocupam a população brasileira para a campanha eleitoral deste ano.

Veja também

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet
eleições

TSE: extratos bancários de partidos serão publicados na internet

Moraes é sorteado relator de inquérito que investiga acusações de Moro contra Bolsonaro
justiça

Moraes é relator de inquérito de Moro contra Bolsonaro