A-A+

'Temos que criar boi em terra indígena para reduzir preço da carne', diz Bolsonaro

'O preço da carne subiu. Nós temos de criar mais bois aqui, para diminuir o preço da carne e eles (índios) podem criar boi', afirmou o presidente

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Alan Santos / PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu nesta quinta-feira (19) a criação de gado em terras indígenas para reduzir o preço da carne no país. Ele afirmou que pretende incluir a regulamentação da agricultura e pecuária comerciais em terras indígenas na proposta de liberação da atividade de mineração.

A ideia inicial era que a proposta fosse enviada ao Poder Legislativo em setembro, mas acabou sendo adiada para o próximo ano.

Leia também:
Bolsonaro desafia Congresso e reafirma intenção de veto a fundo para eleições de 2020
Com alta dos preços da carne, inflação deve ficar em 0,81% em dezembro

"O preço da carne subiu. Nós temos de criar mais bois aqui, para diminuir o preço da carne e eles podem criar boi", disse o presidente na entrada do Palácio do Alvorada.

Em novembro, a inflação oficial teve um aumento de 0,51%, puxada pela alta da carne. O produto sofreu uma disparada com o aumento das exportações para a China. O avanço das áreas de pecuária e de agricultura no Centro-Oeste e no Norte contribuem com o desmatamento na floresta amazônica.

Na entrada da residência oficial, o presidente cumprimentou dois indígenas e defendeu que eles tenham o direito de arrendar as suas terras para a agricultura, o que hoje não é permitido.

"O índio vai poder fazer em sua terra o que o fazendeiro faz na dele", disse. "Se quer pegar a sua terra e arrendar para alguém plantar soja ou milho, faça isso, respeitando a legislação nossa", acrescentou.

Em tese, a legislação permite ao indígena usufruir da terra para a sua sobrevivência. Há casos em todo o país de índios que plantam produtos agropecuários e comercializam para gerar renda.

Nos primeiros nove meses da atual gestão, o número de invasões a terras indígenas no país explodiu, segundo dados preliminares divulgados pelo Cimi (Conselho Indigenista Missionário), vinculado à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Em todo o ano passado, foram registrados 111 casos do tipo em 76 terras indígenas. Somente de janeiro a setembro deste ano, o número pulou para 160 invasões em 153 terras indígenas.

Veja também

Governo mantém regras excepcionais no setor de energia elétrica
Energia

Governo mantém regras excepcionais no setor de energia elétrica

Bivar se consolida com o União Brasil e garante protagonismo em 2022
Edmar Lyra

Bivar se consolida com o União Brasil e garante protagonismo em 2022