Tempo de prisão de Joesley é 'aviltante', diz juiz que ordenou soltura

O magistrado alegou que, "a corroborar o constrangimento ilegal" pelo excesso de prazo, o Joesley é beneficiário de um acordo de colaboração premiada e só pode ser denunciado quando o ajuste for desconstituído

O empresário Joesley Batista O empresário Joesley Batista  - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O juiz Marcus Vinícius Reis Bastos, da 12ª Vara Federal em Brasília, afirmou que o empresário Joesley Batista, dono da JBS, foi submetido a "constrangimento ilegal" por ficar preso por seis meses sem que as investigações chegassem ao fim. O juiz determinou a soltura de Joesley e do executivo Ricardo Saud, conforme noticiou a Folha de S.Paulo.

"Verifico que sua prisão temporária [de Joesley] foi decretada em 8 de setembro de 2017 e convertida em prisão preventiva em 14 de setembro de 2014, estando o requerido encarcerado preventivamente há exatos seis meses, prazo muito superior aos 120 dias previstos para a conclusão de toda a instrução criminal e flagrantemente aviltante ao princípio da razoável duração do processo", argumentou.

O magistrado alegou que, "a corroborar o constrangimento ilegal" pelo excesso de prazo, o Joesley é beneficiário de um acordo de colaboração premiada e só pode ser denunciado quando o ajuste for desconstituído, o que ainda não ocorreu.
A PGR (Procuradoria-Geral da República) pediu a rescisão dos termos, mas ainda falta a medida ser apreciada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Leia também: 
Ministro do STJ nega prisão domiciliar a deputado Paulo Maluf
Em peça no STF, Joesley insinua que foi induzido a erro por Marcello Miller

Para Bastos, isso denota a hipótese de "indevida perpetuação da custódia sem expectativa de instauração de ação penal". "O indevido excesso de prazo da prisão cautelar, sem que o requerido haja concorrido para tanto, enseja inegável constrangimento ilegal passível de correção", escreveu.

A prisão de Joesley e Saud foi determinada em setembro pelo ministro do Supremo Edson Fachin, a pedido da PGR, que os acusou de omitir informações em sua delação premiada. A competência para julgar o caso foi declinada para a 12ª Vara em Brasília, pois os dois não têm foro especial.

Veja também

Justiça derruba decisão que bloqueava bens de Doria em ação por improbidade na Prefeitura de SP
são paulo

Justiça derruba decisão que bloqueava bens de Doria em ação por improbidade na Prefeitura de SP

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno
SÃO PAULO

Com 'Erundinamóvel', vice de Boulos entrará na campanha de rua para tentar forçar ida ao 2º turno