Tenho que seguir a lei, não sou ditador, diz Bolsonaro sobre novo bloqueio do Orçamento

A maior limitação, de R$ 619 milhões, será feita no Ministério da Cidadania

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (31) que não é um ditador e que, por isso, precisa seguir a LRF (Lei de Responsabilidade Fiscal). A declaração foi dada ao justificar o bloqueio de R$ 1,4 bilhão no Orçamento federal deste ano, que será distribuído em nove ministérios.

A maior limitação, de R$ 619 milhões, será feita no Ministério da Cidadania. O segundo maior corte ficou com o MEC (Ministério da Educação), que terá menos R$ 348 milhões para gastar neste ano.

Leia também:
Ex-ministros da Educação lançam documento contra cortes e perseguição ideológica
Novo bloqueio do Orçamento atinge R$ 348 milhões da Educação
Bolsonaro critica expropriação por trabalho análogo à escravidão

Indagado sobre o bloqueio na Educação, Bolsonaro disse se tratar de um contingenciamento e afirmou que, se não aceitasse a restrição, estaria cometendo crime. "Se eu não fizer isso, eu entro na Lei de Responsabilidade Fiscal, é pedalada. Eu vou pro impeachment, dá pra entender? Eu não quero cortar ninguém. Eu sou um cara que não sou adepto a isso, mas o Orçamento geralmente é superestimado, o pessoal infla", disse Bolsonaro.

O presidente afirmou se tratar de um corte "relativamente pequeno" e que ele não tinha alternativa. "Tem uma lei. Tenho que seguir a lei. Não sou ditador", afirmou. "Entre uma crítica e um impeachment, será que eu prefiro o quê? Tenho que fazer opção, cara. A opção infelizmente é esta", disse o presidente.

Bolsonaro afirmou ainda que torce para haja queda na taxa de juros, que será definida pelo Copom (Comitê de Política Monetária) em reunião nesta quarta. A expectativa de economistas é de que haja uma retomada do processo de corte da taxa básica de juros.

"A gente torce. Não vou influenciar lá. Não sou o 'Dilmo' de calça comprida", disse Jair Bolsonaro, ironizando a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). O presidente disse ainda que espera ver a reforma da Previdência aprovada em segundo turno na Câmara na semana que vem, quando o Congresso volta do recesso de meio de ano.

Veja também

Jair Bolsonaro comunicou a ministros da corte que indicará Kassio Nunes para o tribunal
justiça

Jair Bolsonaro comunicou a ministros da corte que indicará Kassio Nunes para o tribunal

Escolha de ministros para STF tem semelhanças com indicação de juiz para Suprema Corte dos EUA
política

Escolha de ministros para STF tem semelhanças com indicação de juiz para Suprema Corte dos EUA