Toffoli diz que Bolsonaro dialoga com extremos e critica 'notinhas públicas'

Ao ser questionado sobre os atos de apoiadores do presidente contra o Legislativo e o Judiciário, o ministro disse que não se pode admitir manifestações pelo fim da democracia

DiasToffoliDiasToffoli - Foto: Carolina Antunes/PR

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, disse nesta segunda-feira (11) que não será construída unidade no país por meio da divulgação de "notinhas públicas" e minimizou o apoio do presidente Jair Bolsonaro a atos antidemocráticos contra a corte e o Congresso.

Toffoli deu as declarações em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura. Ao ser questionado sobre os atos de apoiadores do presidente contra o Legislativo e o Judiciário e sua demora para se pronunciar a respeito, o ministro disse que não se pode admitir manifestações pelo fim da democracia e acrescentou: "Nós não vamos construir unidades e solução de problemas através de notinhas públicas. Não é soltando notas que se resolve problemas tão graves como os que nós temos no nosso país. Temos que resolver isso, primeiro, na política. E a política é aqueles que são governos eleitos pelo povo".

Ao longo da entrevista, o ministro evitou criticar o presidente da República e defendeu diálogo entre as instituições. Em uma das perguntas sobre o presidente, atribuiu em parte a ascensão eleitoral dele ao fenômeno das redes sociais. "Ele dialoga com esse eleitor falando com os extremos, para tentar puxar o centro para lá. É uma linha política centrífuga. Aí acaba havendo, muitas vezes por parte de apoiadores, nunca vi diretamente dele algo contra o Supremo ou de não respeitar a institucionalidade. Ele, sim, tem uma base, que votou nele, tem uma base de extremistas, que defendem fechar o Supremo, o que é antidemocrático. Toda sociedade democrática tem uma Suprema Corte. Temos que entender dentro de um contexto maior. Não estou aqui a justificar."

Leia também:
Ministros criticam ida de Bolsonaro ao STF, e Toffoli também é alvo de reclamações
Ministro do STF determina perícia em vídeo de reunião com Bolsonaro citada por Moro
Estados vão ao STF contra fila única para UTIs de Covid-19


Toffoli mencionou ainda uma "uberização da política". "As pessoas querem fazer política diretamente. É isso que está ocorrendo. Nessa uberização, as pessoas querem um serviço na hora." Ele fez questão de ressaltar ainda, em pergunta sobre a crítica de Bolsonaro sobre interferência do Judiciário no Executivo, que a corte tem atuado em causas que envolvem direitos sociais e de minorias. "Garantimos que conselhos populares, criados por lei, não poderiam ser desfeitos por decreto. Garantimos a criminalização da homofobia. Garantimos os direitos das grávidas em relação a trabalho insalubre."

A prioridade agora, afirmou, são julgamentos e ações relacionadas à crise do coronavírus. Toffoli disse que o STF é a suprema corte "que mais trabalha no mundo".
Ao falar da ida repentina de Bolsonaro com líderes empresariais à corte na semana passada, o juiz disse que não viu a iniciativa como uma pressão sobre o tribunal. O presidente pediu, na ocasião, apoio a medidas que liberem a circulação e atividades comerciais nos estados e municípios. "Não vejo como um constrangimento", disse.

Veja também

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP
DIRETÓRIO ESTADUAL

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados
EDMAR LYRA

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados