Após indulto

Tornozeleira de Daniel Silveira está descarregada desde o domingo de Páscoa, diz secretaria do DF

Em ofício enviado ao STF, órgão diz não ser possível informar a localização do deputado nem se o houve o rompimento do equipamento

Daniel Silveira, deputado federalDaniel Silveira, deputado federal - Foto: Cleia Viana/ Câmara dos Deputados

A Secretaria de Administração Penitenciária do Distrito Federal informou nesta segunda-feira (25) que a tornozeleira eletrônica do deputado Daniel Silveira (PTB-RJ) está descarregada desde o começo da noite de 17 de abril, domingo de Páscoa. Assim, não é possível saber onde ele está, nem se houve o rompimento do equipamento.

A secretaria disse que tentou contato com um assessor parlamentar de Daniel Silveira para saber o que tinha ocorrido. Ele informou que essas informações seriam obtidas apenas com o advogado que representa Silveira, mas, segundo a secretaria, "todas as tentativas de contato foram infrutíferas".

"Haja vista que o equipamento eletrônico está descarregado, até a presente data, não é possível informar, fidedignamente, a localização atual e a real situação do equipamento, nem se houve ou não o rompimento da tornozeleira instalada, visto que a descarga completa da bateria impede a coleta de dados gerados pelo software de monitoração", diz trecho do documento.

O ofício com as informações foi enviado nesta segunda ao ministro Alexandre de Moraes, relator do processo que resultou na condenação de Silveira a oito anos e nove meses de prisão em regime inicialmente fechado, e aplicou uma multa de R$ 212 mil, em razão de ameaças e incitação à violência contra ministros da Corte. Na quinta-feira da semana passada, o presidente Jair Bolsonaro editou decreto perdoando Silveira.

O STF também determinou a perda do mandato político de Silveira e a perda dos direitos políticos enquanto durassem os efeitos da pena. Ministros da Corte avaliam que essa parte da decisão permanece válida, mesmo com o decreto de Bolsonaro.

Moraes determinou que o deputado voltasse a usar tornozeleira no mês passado e o proibiu de participar de “qualquer evento público em todo o território nacional”. A decisão atendeu um pedido da subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo. Ela afirmou que Silveira vinha agindo contra a democracia e aproveitando aparições públicas para atacar o tribunal e seus membros.

O deputado resistia a aceitar a decisão, usando as dependências da Câmara para evitar o seu cumprimento. Moraes determinou então multa diária de R$ 15 mil pelo descumprimento da ordem, fazendo com que Silveira finalmente aceitasse a instalação do equipamento. A decisão de multa continua válida.

Em outros momentos, a secretaria do DF já havia apontado o descarregamento da tornozeleira. A defesa sustentou, nessas ocasiões, que o equipamento estava com defeito. O GLOBO procurou o advogado Paulo César Rodrigues de Faria, que defende Silveira, para comentar o novo ofício, mas não houve resposta ainda.

Veja também

Após União Brasil pedir duas secretarias, Nunes confirma apoio do partido nas eleições
Eleições SP

Após União Brasil pedir duas secretarias, Nunes confirma apoio do partido nas eleições

Nunes nega que seu vice tenha pedido sigilo de 100 anos sobre processos disciplinares na PM
BRASIL

Nunes nega que seu vice tenha pedido sigilo de 100 anos sobre processos disciplinares na PM

Newsletter