TRF4 determina destruição de áudios gravados em escritório de advogados de Lula

De acordo com a defesa, os áudios estavam protegidos por sigilo entre clientes e advogados

Ex-presidente LulaEx-presidente Lula - Foto: Miguel SCHINCARIOL / AFP

A 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) determinou a destruição dos áudios gravados em um dos ramais do escritório Teixeira, Martins e Advogados durante investigações da Operação Lava Jato. A decisão atendeu mandado de segurança apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que questionava a disponibilização dos áudios, por decisão da 13ª Vara Federal de Curitiba.

Leia também
Justiça Federal marca para junho depoimento de Lula em caso de caças suecos
"Existe uma usina de intrigas", diz Ciro sobre relação com Lula e o PT
Após reunião com Cármen, advogado de Lula diz que não há definição sobre habeas corpus
Estou pronto para ser preso, diz Lula em livro


De acordo com a defesa, os áudios estavam protegidos por sigilo entre clientes e advogados e o Supremo Tribunal Federal (STF) teria determinado a sua eliminação, decisão que não foi cumprida pela 13ª Vara Federal, o que estaria colocando em risco as garantias constitucionais e prerrogativas profissionais.

O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, relator do processo, disse que os grampos não valem como prova porque o telefone não é de titularidade de nenhuma das partes envolvidas na investigação. Mas, segundo ele, não houve ilegalidade na decisão que determinou a produção dessa prova, porque o número grampeado foi fornecido pela empresa do ex-presidente e apenas depois de deferida e implementada a interceptação verificou-se que a linha pertencia ao escritório Teixeira, Martins e Advogados.

Veja também

Rosa Weber derruba decisão de Ricardo Salles que tirava proteção de restingas e manguezais
Meio Ambiente

Rosa Weber derruba decisão de Ricardo Salles que tirava proteção de restingas e manguezais

Para senadores, pandemia acelerou necessidade de atualizar a Lei de Falências
Senado

Para senadores, pandemia acelerou necessidade de atualizar a Lei de Falências