justiça

Tribunal mantém sentença que obriga blogueiro bolsonarista a pagar R$ 15 mil a Glenn Greenwald

Eustaquio foi condenado em fevereiro no processo movido por Greenwald, que é diretor do site The Intercept Brasil

Glenn Greenwald, editor do site jornalístico The Intercept BrasilGlenn Greenwald, editor do site jornalístico The Intercept Brasil - Foto: Divulgação

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro manteve a condenação do blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustaquio Filho, que terá que pagar R$ 15 mil por danos morais a Glenn Greenwald por ter ofendido a mãe do jornalista, Arlene Greenwald.

Eustaquio, que é investigado e até já foi preso temporariamente no âmbito das investigações sobre atos antidemocráticos, foi condenado em fevereiro no processo movido por Greenwald, que é diretor do site The Intercept Brasil.

Em agosto do ano passado, o bolsonarista afirmou que Glenn mentiu sobre o estado de saúde de Arlene apenas para acelerar a concessão de visto para os filhos menores e, assim, partir com eles para os EUA.

 



O jornalista reagiu chamando Eustaquio de "lixo humano". E decidiu processá-lo.

A mãe de Glenn Greenwald morreu vítima de câncer em dezembro do ano passado.

Em sua defesa, blogueiro disse que analisou postagens da mãe de Glenn nas redes sociais e concluiu que ela não estava "em fim de vida" e portanto o pedido de visto de emergência para os netos poderem visitá-la não se justificava.

No dia da audiência na Justiça, ele tentou intimidar o jornalista. Vestindo uma camiseta de Jair Bolsonaro, começou a filmar Glenn sob a justificativa de que queria "entrevistá-lo".

Na sentença de primeira instância, o juiz Antonio Crlos Maisonette Pereira afirma que as postagens publicadas por Eustaquio apresentavam "uma carga ofensiva ao autor e sua mãe que ultrapassa o objetivo legítimo de criticar".

Além disso, o blogueiro não se ateve, segundo o magistrado, "ao compromisso ético de checar a veracidade das informações divulgadas, exorbitando da crítica para o campo das insinuações, as quais, no caso, são pejorativas e induvidosamente ofensivas à honra do autor e sua mãe, imputando ao primeiro, ainda, o cometimento de crime".

O magistrado concluiu que Eustaquio "ultrapassou os limites das liberdades constitucionais que lhe são asseguradas, agindo de forma abusiva ao disseminar informações equivocadas sobre o estado de saúde" da mãe de Glenn.

Veja também

Bolsonaro evita ataques, mas STF mantém ritmo de derrotas ao governo
Política

Bolsonaro evita ataques, mas STF mantém ritmo de derrotas ao governo

Convidado para chefiar missão no Líbano, Temer precisa de autorização para sair do país
EX-PRESIDENTE

Convidado para chefiar missão no Líbano, Temer precisa de autorização para sair do país