Tríplex atribuído a Lula é arrematado por R$ 2,2 milhões

O usuário vencedor, "Guarujapar", do Distrito Federal, terá 72 horas para realizar o pagamento. Ele também deverá pagar 5%, ou R$ 110 mil, de comissão para o leiloeiro. Caso a transação não se complete, haverá uma segunda tentativa para vender o apartamen

Triplex do GuarujáTriplex do Guarujá - Foto: Reprodução/PT

O leilão do tríplex em Guarujá (SP), atribuído pela Lava Jato ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi arrematado pelo valor mínimo de R$ 2,2 milhões. O único lance foi dado nos últimos minutos do leilão online, que terminou às 14h desta terça-feira (15).

O usuário vencedor, "Guarujapar", do Distrito Federal, terá 72 horas para realizar o pagamento. Ele também deverá pagar 5%, ou R$ 110 mil, de comissão para o leiloeiro. Caso a transação não se complete, haverá uma segunda tentativa para vender o apartamento no dia 22 de maio, com lance mínimo de 80% do valor de avaliação.

Se ninguém fizer uma oferta, o juiz Sergio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, determinará o que será feito com o imóvel. A página do leilão do tríplex foi visualizada mais de 50 mil vezes. 

Na manhã desta terça (15), um usuário de Piracicaba, no interior de São Paulo, também chegou a realizar uma oferta no valor mínimo. Posteriormente, no entanto, ele enviou um email dizendo que fez o lance equivocadamente. Segundo a assessoria de imprensa da Superbid, responsável pelo leilão na internet, o usuário pediu o cancelamento da oferta, autorizado por Moro. 

De frente para a praia, o tríplex do condomínio Solaris, de acordo com o anúncio, tem 215 m² de área privativa, quatro dormitórios (sendo duas suítes), sala com varanda, piscina, churrasqueira e duas vagas de garagem. Um elevador integra os três andares, mas não é possível verificar o funcionamento porque a luz da unidade não está ligada, informa o laudo de avaliação. Segundo a administração do condomínio, recaem sobre o imóvel débitos de cerca de R$ 47 mil, que deverão ser pagos pelo arrematante.

Leia também:
Ministro nega continuidade a pedido de liberdade de Lula
'Precisamos convencer mais gente', diz presidente do Instituto Lula

Caso tríplex 

Na ação apresentada pelo Ministério Público Federal, Lula foi acusado de receber R$ 3,7 milhões de propina da empreiteira OAS em decorrência de contratos da empresa com a Petrobras. O valor, apontou a acusação, se referia à cessão pela OAS do apartamento tríplex ao ex-presidente, a reformas feitas pela construtora nesse imóvel e ao transporte e armazenamento de seu acervo presidencial (este último ponto rejeitado por Moro).

Lula teve a condenação confirmada e a pena aumentada para 12 anos e um mês de prisão pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), em janeiro deste ano. Em abril, após mandado de prisão expedido por Moro, o ex-presidente se entregou na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR). O petista defende sua inocência e se diz vítima de perseguição da força-tarefa e da Justiça. O ex-presidente afirma que não havia provas para condená-lo e que não era dono do tríplex.

Veja também

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus
Congresso

Oposição decide entrar com novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise em Manaus

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'
Política

Maia diz que discussão sobre impeachment de Bolsonaro será inevitável 'no futuro'