TSE cancela acareação entre ex-tesoureiro de Dilma e delator da Lava Jato

Com a decisão, apenas Otávio Marques de Azevedo será ouvido no dia 17 de novembro

Residências foram entregues nesta segunda (02)Residências foram entregues nesta segunda (02) - Foto: Divulgação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta quinta-feira (10) cancelar a acareação entre Edinho Silva, tesoureiro da campanha da presidenta Dilma Rousseff à reeleição, em 2014, e Otávio Marques de Azevedo, ex-executivo da empreiteira Andrade Gutierrez e um dos delatores da Operação Lava Jato. Com a decisão, apenas Azevedo será ouvido no dia 17 de novembro. Na quarta (9), um juiz auxiliar do ministro Herman Benjamin aceitou o pedido de acareação feito pelos advogados da campanha de Dilma.

Os defensores solicitaram a acareação após afirmarem ao TSE que cerca de R$ 1 milhão, valor que teria sido recebido de propina pela empreiteira e repassado como doação de campanha, foram transferidos em julho de 2014 para o diretório nacional do PMDB, e não do PT, como disse Azevedo em depoimento na Justiça Eleitoral. Ao voltar atrás em sua decisão, o juiz Bruno César Lorencini considerou que somente o depoimento de Otávio de Azevedo é "medida eficaz para a elucidação da divergência", sendo que a acusação foi apresentada pela campanha de Dilma.

Segundo o juiz, caso necessário, poderão ser determinados “atos complementares para o aprofundamento do conjunto probatório em relação ao ponto". Em dezembro de 2014, as contas da campanha de Dilma e do então vice-presidente Michel Temer foram aprovadas, por unanimidade, no TSE. No entanto, o PSDB questionou a aprovação por avaliar que havia irregularidades nas prestações de contas apresentadas por Dilma. Conforme entendimento atual do tribunal, a prestação contábil da chapa é julgada em conjunto.

Veja também

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial
auxílio emergencial

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC
política

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC