Eleições 2018

TSE reabre investigação sobre hackeamento que mira chapa Bolsonaro-Mourão

Nas ações, partidos de oposição pediram a cassação da chapa por entenderem que a chapa foi beneficiada durante a campanha eleitoral por um suposto ataque de hackers

Jair Bolsonaro e Hamilton MourãoJair Bolsonaro e Hamilton Mourão - Foto: Isac Nóbrega/PR

Leia também

• Bolsonaro diz que processo no TSE que pode cassar chapa presidencial é 'começar a esticar a corda'

• Processos no TSE abastecidos com inquérito do STF afligem Bolsonaro

• TSE debate mudanças sobre suspensão de partidos

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nesta quinta-feira (30) reabrir a fase de produção de provas nas duas ações protocoladas por partidos de oposição para cassar a chapa vencedora das eleições de 2018, formada pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo vice-presidente, Hamilton Mourão. 

Por 4 votos a 3, o tribunal decidiu que os partidos que entraram com as ações poderão produzir provas para tentar comprovar o suposto benefício da chapa com um hackeamento feito por terceiros durante a campanha eleitoral. 

Nas ações, o PV, a Rede, o PSOL e o PCB pediram a cassação da chapa por entenderem que o presidente e o vice foram beneficiados durante a campanha eleitoral por um suposto ataque de hackers feito por terceiros em uma página do Facebook intitulada “Mulheres Unidas contra Bolsonaro”.  Segundo os partidos, o nome da página foi alterada para “Mulheres com Bolsonaro #17”. O caso aconteceu em setembro de 2018 e durou 24 horas. 

Os partidos alegaram ainda que a página foi compartilhada em uma rede social da campanha do presidente, com os dizeres: “Obrigado pela consideração, mulheres de todo o Brasil!”. 

Defesa 
Na defesa apresentada no processo, os advogados afirmaram que Bolsonaro e Mourão não participaram e não tiveram conhecimento prévio do episódio. 

A defesa lembrou ainda que, nos dias 15 e 16 de setembro de 2018, data do fato, Bolsonaro estava internado após ter sido submetido a cirurgia decorrente do atentado praticado por Adélio Bispo. 

Veja também

TCU veta que governo anuncie em site que promove ilegalidade
Política

TCU veta que governo anuncie em site que promove ilegalidade

STF pressiona contra redução salarial e corte de penduricalhos
Política

STF pressiona contra redução salarial e corte de penduricalhos