A-A+

TST reconhece união homoafetiva em acordo trabalhista de aeroviários

Família terá os mesmos direitos de empregados em união heteroafetiva

Bandeira LGBTBandeira LGBT - Foto: Marcello Camargo/Arquivo/Agência Brasil

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) validou, nesta quinta-feira (6), um acordo trabalhista para garantir que aeroviários de Porto Alegre que têm união estável homoafetiva recebam os mesmos benefícios que os empregados em união estável heteroafetiva. A questão foi decidida em um dissídio coletivo entre o Sindicato dos Aeroviários de Porto Alegre e o Sindicato Nacional das Empresas Aéreas.

No julgamento, os ministros da Seção Especializada em Dissídios Coletivos (SDC) entenderam que é preciso garantir tratamento isonômico entre as famílias de empregados e evitar condutas discriminatórias. O caso chegou ao TST após a Justiça trabalhista do Rio Grande do Sul entender que o ajuste no acordo coletivo para incluir os empregados em união homoafetiva só poderia ser feito por lei ou ajuste entre os funcionários e as empresas.

Leia também:
Companhias aéreas low cost estrangeiras cobram até por mala de mão no Brasil
Contra homofobia, clubes passam a promover camisa 24


Na decisão, o TST levou em conta a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que, em 2011, reconheceu a união homoafetiva como entidade familiar, equiparando os direitos da união estável heteroafetiva.

Veja também

Morre Guilherme Robalinho, ex-secretário de Saúde de Pernambuco
Luto

Morre Guilherme Robalinho, ex-secretário de Saúde de Pernambuco

Voto extra a relatório da CPI pede indiciamento de governador do Amazonas
Política

Voto extra a relatório da CPI pede indiciamento de governador do Amazonas