Tucanos disputam internamente a candidatura para presidência da República

Para o PSDB, gestão de Temer é transitória e os melhores candidatos para 2018 são do partido

Neto de Arraes, Antônio Campos, saudou em nome da família o título concedido ao seu avôNeto de Arraes, Antônio Campos, saudou em nome da família o título concedido ao seu avô - Foto: Divulgação

 

Além da sucessiva perda de ministros, o presidente Te­mer tem outro motivo de forte preocupação: a cúpula do PSDB, que inclui o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o presidente nacional do partido, Aécio Neves, o ministro de Relações Exteriores, José Serra, e o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

Na sexta-feira (25), em almoço com as lideranças do partido, que contou com a presença de Temer, os quatro reafirmaram apoio ao peemedebista, mas enfatizaram que essa é uma gestão transitória e que o melhor para o País nas eleições de 2018 é o PSDB. Os tucanos disputam internamente a candidatura para presidência da República.

“Na minha avaliação, do PSDB, nem de longe esse episódio atinge o sr. presidente Michel Temer”, disse Aécio na chegada ao evento. “Precisamos trabalhar para o governo Temer dar certo. Embarcamos no impeachment, assumimos responsabilidade de governo e temos que fazer que até 2018 esse governo dê certo, para preparar uma transição para um Brasil melhor”, frisou Serra. Por sua vez, Alckmin disse considerar “normal” a troca do ministro e reafirmou que Temer continua contando com o apoio integral da legenda.

Já FHC ironizou a condição do governo. “Isso é uma ponte. Pode ser uma ponte frágil, uma pinguela? Tudo bem. Mas é o que tem. Se você não tiver uma ponte, você cai no rio”, colocou. “Acho que o futuro presidente da República está nessa mesa”, acrescentou.

 

Veja também

Senador Arolde de Oliveira morre em decorrência da Covid-19
Política

Senador Arolde de Oliveira morre em decorrência da Covid-19

Senado aprova indicação de Alexandre Costa Rangel para CVM
política

Senado aprova indicação de Alexandre Costa Rangel para CVM