Um enorme prejuízo para a Lava Jato

Para especialistas ouvidos pela Folha, a morte de Teori Zavascki gera incertezas sobre o futuro da operação

Sérgio Moro Sérgio Moro  - Foto: Miguel schinchariol/afp

Em meio às incertezas quanto o futuro da Lava Jato, no mundo jurídico e das ciências políticas, o entendimento que se tem é que a morte do ministro Teori Zavascki causou um enorme prejuízo para a Operação. De acordo com o cientista político pela UFF, Antônio Lucena, a tendência é que as investigações sejam interrompidas por dias ou até meses, até que os processos de Teori caiam no colo de outro ministro.

"A Lava Jato como está pode ser desfigurada e sofrer interrupções, com o processo chegando ao seu fim", alerta Lucena. Todavia, na sua visão, "é preciso observar quem será o novo ministro", disse.

Conforme Antônio Lucena, se a relatoria da Lava Jato for para o novo ministro, gerará uma série de considerações de cunho ético e moral. A avaliação que se tem é que se o presidente indicar uma pessoa para abafar a Operação, sofrerá pressão da opinião pública, que quer o andamento do processo. Do contrário, se indicar uma pessoa mais dura e direcionada ao andamento da Operação, gerará problema com a base aliada. "É uma questão complicada", sintetiza.

Lucena ressalta que a morosidade do processo é interessante para a classe política, alvo do ex-ministro. Professor de direito constitucional da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), Marcelo Labanca põe em evidência o andamento da homologação das delações premiadas que Teori iria realizar em fevereiro. O magistrado era o responsável pela homologação de 77 delações que deveriam sair já em fevereiro, o que impulsionaria o andamento dos julgamentos.

E foi justamente com interesse de adiantar as homologações que o magistrado cancelou suas férias para se debruçar nos processos. Mesmo distante, Zavascki se comunicava com a equipe emitindo ordens judiciais em processos sob sua responsabilidade. "E agora o que será homologado?", lança o questionamento Labanca.

Para o advogado constitucionalista Emilio Duarte, a operação terá um retardo dado o próprio rito de substituição e o direcionamento que o futuro delator vier a tomar. "Ele era um juiz que já tinha conhecimento do processo. O outro que vier substituir não vai ficar vinculado às ações dele (Teori)", observa.

Moro
Responsável pelos processos da Lava Jato em primeira instância, o juiz Sergio Moro se disse perplexo com a morte do ministro. "Estou perplexo. Minhas condolências à família. O Ministro Teori Zavascki foi um grande magistrado e um herói brasileiro, exemplo para todos os juízes, promotores e advogados deste país.

Sem ele, não teria havido Operação Lava Jato. Espero que seu legado de serenidade, seriedade e firmeza na aplicação da lei, independentemente dos interesses envolvidos, ainda que poderosos, não seja esquecido", disse o magistrado.

Veja também

Após Cúpula do Clima, Bolsonaro diz que críticas ao Brasil não se justificam
Meio Ambiente

Após Cúpula do Clima, Bolsonaro diz que críticas ao Brasil não se justificam

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial
Política

Maioria do STF vota para manter decisão que considerou Moro parcial