Relação

'É simples assim. Um manda, o outro obedece', diz Pazuello ao receber Bolsonaro após crise da vacina

Presidente visitou o ministro, que está com a Covid-19, nesta quinta (22)

Pazuello e Bolsonaro, durante a posse do ministro da SaúdePazuello e Bolsonaro, durante a posse do ministro da Saúde - Foto: Erasmo Salomão/MS

Um dia após falar em "traição" e desautorizar o ministro da Saúde publicamente, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez uma visita ao general Eduardo Pazuello para acabar com rumores de que o auxiliar seria demitido.

A visita, fora da agenda oficial dos dois, foi transmitida por uma rede social de Bolsonaro, que foi ao Hotel de Trânsito de Oficiais do Exército, onde Pazuello recupera-se da Covid-19. Apesar do diagnóstico confirmado, os dois sentaram-se próximos e não usaram máscara de proteção. Bolsonaro já contraiu a doença. Na transmissão, ambos negaram atrito.

"Semana que vem talvez, com toda certeza, tu volta para o batente", disse Bolsonaro. "Pois é, estão dizendo que não, né? Estamos juntos", reagiu Pazuello. "Falaram até que a gente estava brigado aqui. No meio militar, é comum acontecer isso daqui, algum choque, alguma coisa. Não teve problema nenhum", prosseguiu Bolsonaro.

"Senhores, é simples assim. Um manda e o outro obedece, mas a gente tem um carinho", disse Pazuello. "Opa, está pintando um clima aqui", disse Bolsonaro em tom de brincadeira.

Encontro entre Pazuello e BolsonaroVisita de Bolsonaro a Pazuello. Foto: Reprodução/Facebook

Na manhã de quarta-feira (21), Bolsonaro desautorizou Pazuello, que, no dia anterior, havia anunciado um acordo com o estado de São Paulo para a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac que será produzida no Brasil pelo Instituto Butantan.

A um internauta que acusou Pazuello de traí-lo com o acordo de compra da vacina e disse que Bolsonaro havia se enganado mais uma vez com alguém de sua equipe, o presidente falou em traição. "Qualquer coisa publicada, sem comprovação, vira TRAIÇÃO", reagiu Bolsonaro na internet.

Como a Folha de S.Paulo mostrou, na quarta-feira, o presidente foi informado ainda no final de semana da intenção da compra, pelo Ministério da Saúde, de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac.

Segundo assessores do Palácio do Planalto e do Ministério da Saúde, Bolsonaro não se opôs à iniciativa inicialmente, mas mudou de posição no final da tarde da terça-feira (20), após repercussão negativa de seus apoiadores nas redes sociais.

Desde o anúncio feito por Pazuello, em reunião virtual com governadores, eleitores bolsonaristas iniciaram campanha nas redes contra o que chamam de "vacina chinesa”. As críticas chegaram ao perfil oficial do presidente, que decidiu adotar um recuo estratégico. Na própria terça, segundo relato feito à reportagem, ele telefonou a Pazuello para informar que se posicionaria contra o anúncio.

Na manhã de quarta, antes de o presidente se manifestar nas redes sociais, Pazuello chegou a entrar em contato com representante do governo paulista. Segundo um auxiliar da gestão estadual, ele informou que a compra de doses seria menor do que a anunciada no dia anterior.

A tentativa do ministro de diminuir a tensão, no entanto, não deu certo. Após as críticas do presidente, Bolsonaro e Pazuello se falaram por telefone para ajustar a mudança de discurso e combinar a divulgação de uma nota pública, na qual alegariam que houve "interpretação equivocada”.

Como lembraram auxiliares palacianos, Pazuello costuma informar todas as iniciativas de sua pasta a Bolsonaro e não faz nada sem o conhecimento do chefe do Executivo, o que não foi diferente neste episódio.

Em conversas reservadas na manhã de quarta, o presidente elogiou a rápida reação de Pazuello e disse que ele não é como o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, que resistia em obedecer e seguir as suas orientações.

Além da reação negativa nas redes sociais, o recuo do presidente, segundo assessores, deveu-se à comemoração do governador de São Paulo, João Doria (PSDB). Após o anúncio de Pazuello na terça-feira, Doria disse que "venceu o Brasil”.

O tucano é pré-candidato à sucessão presidencial em 2022, quando Bolsonaro pretende disputar a reeleição. Em mensagem a ministros, relatada à reportagem, o presidente ordenou que, a partir de agora, sua equipe não trate sobre iniciativas de imunização com o governador paulista.

A pandemia de Covid já deixou mais de 155 mil mortos no Brasil, e, após sete meses de quarentena, três em cada 4 brasileiros afirmam que querem se vacinar assim que possível, segundo pesquisa Datafolha realizada nos dias 5 e 6 de outubro.

Na quarta-feira, Bolsonaro disse que havia mandado cancelar o protocolo de intenções assinado entre a Saúde e o governo de São Paulo. "Já mandei cancelar. O presidente sou eu, não abro mão da minha autoridade", disse em um evento em Iperó (SP).

Veja também

Discussão sobre novo imposto não faz parte do contexto atual, diz Lira
Política

Discussão sobre novo imposto não faz parte do contexto atual, diz Lira

Para Mourão, 'ruído' sobre vacinação e crise em Manaus derrubou popularidade de Bolsonaro
Crise

Para Mourão, 'ruído' sobre vacinação e crise em Manaus derrubou popularidade de Bolsonaro