Partido

União Brasil pode adiar eleição interna

O deputado federal Luciano Bivar (PE) informou que tem em mãos várias denúncias contra o seu opositor na disputa, o advogado Antônio Rueda

Luciano Bivar, presidente  do União Brasil NacionalLuciano Bivar, presidente do União Brasil Nacional - Foto: reprodução

Prevista para acontecer nesta quinta-feira (29), a eleição interna para definir o comando nacional do União Brasil deverá ser adiada após o atual presidente da legenda, o deputado federal Luciano Bivar (PE), informar que tem em mãos várias denúncias contra o seu opositor na disputa, o advogado Antônio Rueda.

Segundo Bivar, os advogados da sigla estão analisando a formação das chapas para saber se a eleição seria realizada. “As chapas ainda não foram examinadas em suas minúcias. Então, a gente não pode dizer ainda sobre o posicionamento do partido a respeito da legalidade das chapas”, disse o parlamentar pernambucano. Durante coletiva de imprensa, Bivar chamou o rival de "covarde".

Denúncias
“Denúncias (contra Rueda) têm aqui (no envelope). Certamente vou abrir uma investigação disso. Como as denúncias são graves, posso até levar ao Ministério Público. Mas não posso antecipar porque eu não sei se procede. Essas denúncias são de toda sorte, é incrível. Um partido que não pode estar na mão de quem quer fazer negócios”, ressaltou Bivar.

Procurado, Antôno Rueda preferiu não se manifestar. A disputa escancarou o racha na legenda criada há apenas dois anos, fruto da negociação e posterior fusão entre DEM e PSL. Na época, as dus legendas, inclusive, concordaram que Bivar ficaria à frente da direção nacional. 

Antes disso, Rueda era próximo de Bivar e trabalhou com ele tanto no antigo PSL como ainda foi nomeado vice do União Brasil com seu apoio. Já o mandato de Bivar à frente do União Brasil termina somente no próximo dia 31 de maio.

Veja também

Foro privilegiado: entenda as mudanças definidas pelo STF
SUPREMO

Foro privilegiado: entenda as mudanças definidas pelo STF

Boulos diz que serviço funerário de SP virou 'mercado da morte' e promete rever concessão
DECLARAÇÃO

Boulos diz que serviço funerário de SP virou 'mercado da morte' e promete rever concessão

Newsletter