Unidade no Congresso. Corrida presidencial são outros 500

Jantar reuniu Paulo Câmara, Renata Campos, Carlos Siqueira e Márcio França em Brasília

Congresso-nacional do PSBCongresso-nacional do PSB - Foto: Rodolfo Loepert

Após abertura do Congresso Nacional do PSB, a cúpula do partido foi à mesa, em Brasília, em jantar reservado. De Pernambuco, estavam o governador Paulo Câmara e a ex-primeira-dama Renata Campos, além do presidente nacional da sigla, Carlos Siqueira. Compartilharam o menu ainda o vice-governador de São Paulo, Márcio França, o governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, Beto Albuquerque e Renato Casagrande. Às vésperas do Congresso, ganharam eco rumores de que as alas do PSB de Pernambuco e de São Paulo poderiam medir forças, mas o partido acabou chegando unificado ao momento que deve marcar a recondução de Siqueira, o que se deu, como a coluna antecipou, depois que Márcio França declarou apoio, de antemão, na semana passada, à reeleição do atual presidente. Não só São Paulo e Pernambuco têm posições divergentes em relação a alianças. Se a ala paulista trabalha por um apoio a Geraldo Alckmin e a pernambucana se aproxima do PT, no Rio Grande do Sul, Beto Albuquerque trabalha por candidatura própria, já lançou seu nome no páreo e rechaça aliança com o PT. No seu estado, ele apoia o PMDB. Rollemberg terá o PSDB, que já compõe sua gestão, em seu palanque. Na Paraíba, a posição de Ricardo Coutinho já era pró-PT. Essas diferenças regionais já levaram Márcio a defender, nas reuniões da semana passada, que a sigla fique neutra na corrida pelo Planalto. Até o momento, os debates sobre a eleição interna e sobre a corrida presidencial vinham se confundindo e se entrelaçando. Hoje, o PSB unido elege, às 9h, os novos representantes do Diretório e da Executiva Nacional para o próximo triênio. No entanto, a definição sobre como se posicionará na corrida presidencial será um outro debate. São coisas separadas e exigirá nova rodada de entendimento. Até o momento, não há consenso.

Flertes na centro-esquerda
Embora não tenham tratado de como se posicionarão na corrida presidencial, a ala pernambucana do PSB já cravou que o partido defenderá o campo de centro-esquerda. Ainda que Márcio França vá apoiar Geraldo Alckmin, em São Paulo, ele também tem tido conversas com Orlando Silva para ter o PCdoB em seu palanque, assim como trabalha para ter do PDT.

Por conta e risco > Em parte do seu discurso, Carlos Siqueira alfinetou: “Alguns resolveram flertar, mesmo o partido dizendo que não indica. Dissemos que não indicamos nem chancelamos nomes. Não precisamos de cargos. Dissemos: 'A sua escolha é pessoal'”. O dirigente fez referência ao fato de Fernando Filho, que deixou as hostes socialistas, ter optado por ocupar espaço no governo Temer.

Resistência >
No dia da abertura do Congresso do PSB, a presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos, estava em São Paulo com Lula, na sede do PT. Trocaram ideias sobre cenários da corrida eleitoral na presença também de Orlando Silva.

Campo > No PT, há quem considere que Luciana pode mesmo vir a ser a candidata ao Senado em entendimento com petistas, porque, segundo uma fonte da sigla observa nas coxias, Lula teria defendido que João Paulo concorra à Câmara Federal.

Prazo > O empresário Jorge Petribu diz que tem até o dia 20 para estudar sua possível filiação ao Partido Novo. Nessa data, o presidenciável da sigla, João Dionísio Amoêdo, estará presente em evento no MV Empresarial. Petribu diz estar disposto a mobilizar filiações, mas não adianta intenção de concorrer.

Veja também

Saiba como denunciar atos presenciais de campanha que gerem aglomeração
Eleições 2020

Saiba como denunciar atos presenciais de campanha que gerem aglomeração

Relatório do impechment de Witzel é entregue ao Tribunal Misto
Brasil

Relatório do impechment de Witzel é entregue ao Tribunal Misto